Ministra da Saúde angolana demite administração dos maiores hospitais públicos

  • Lusa
  • 16 Novembro 2017

Num contexto de Saúde marcado por um "défice claro em infraestruturas sanitárias e médicas", o Presidente de Angola, João Lourenço, admite que as prioridades têm de ser bem definidas.

A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, exonerou as administrações de dois dos maiores hospitais públicos do país, em Luanda, além do inspetor-geral e diretor nacional da saúde, conforme despachos a que a Lusa teve acesso esta quinta-feira. Uma decisão que surge um dia depois do Presidente angolano ter exonerado Isabel dos Santos da Sonagol e os irmãos da televisão estatal.

Nos despachos, datados de 13 de novembro, a governante angolana determinou a exoneração dos diretores geral, Maria Lina Antunes, clínico, Fortunato Silva, administrativo, Nair da Costa, e pedagógico e científico, Júlio dos Santos, do Hospital Américo Boavida.

Sílvia Lutucuta exonerou ainda dos cargos de diretor administrativo, Maria Marcos, e pedagógico, e científico, Agostinho Matamba, do Hospital Josina Machel.

Em substituição, para o Hospital Américo Boavida, foram nomeados, em comissão ordinária de serviço, Agostinho Matamba para o cargo de diretor-geral, Virgínia Franco para diretora clínica, Maria Marcos para diretora administrativa e Mateus Miguel para diretor pedagógico e científico.

A titular da pasta da Saúde em Angola exonerou ainda António Armando do cargo de inspetor-geral da Saúde e Miguel Oliveira do cargo de diretor nacional da Saúde.

Para ocupar os cargos de inspetor-geral da Saúde foi nomeado Miguel Oliveira e para diretor nacional da saúde, Isilda Neves.

Em outubro, em declarações à Lusa, a nova ministra da Saúde de Angola defendeu a necessidade da realização de um diagnóstico profundo da situação do setor que dirige, que tem como uma das principais preocupações a humanização e a prevenção.

“Temos que trabalhar mais, temos que fazer um diagnóstico profundo da situação da saúde em Angola, a humanização é uma preocupação desse executivo, temos que prevenir, temos que ter uma saúde pública mais atuante para prevenir as doenças e também olharmos para as questões importantes com os nossos quadros”, disse a ministra.

No seu discurso sobre o estado da Nação, o Presidente angolano admitiu a existência de um “défice claro em infraestruturas sanitárias e médicas, o que se repercute em elevadas taxas de mortalidade”, sublinhando que se impõe que o executivo priorize neste mandato a área social.

Segundo Sílvia Lutucuta, além do défice de infraestruturas, contribuem para o elevado índice de mortalidade no país “técnicos qualificados, recursos também, medicamentos e descartáveis”.

“Nós temos várias dificuldades, mas no atual contexto económico temos que definir bem as prioridades“, disse a governante, apontando a prevenção como a principal estratégia.

Comentários ({{ total }})

Ministra da Saúde angolana demite administração dos maiores hospitais públicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião