Portugal pagou mais 2,8 mil milhões ao FMI

Portugal realizou um novo reembolso de 2,8 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional esta quinta-feira. Fica por pagar cerca de 25% do empréstimo oficial do Fundo.

Portugal realizou um novo reembolso antecipado de 2,8 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI), anunciou o Ministério das Finanças em comunicado. Com este pagamento, fica por pagar cerca de 25% do empréstimo contraído junto do Fundo aquando do pedido de resgate, em 2011.

Foi reembolsada esta quinta-feira, “antecipadamente, mais uma parcela do empréstimo ao FMI, equivalente a 2.780 milhões de euros, que se vencia entre junho de 2020 e maio 2021. Durante o corrente ano foram já pagos 9.012 milhões, o valor máximo amortizado, em termos anuais, até à presente data”, informou o ministério liderado por Mário Centeno.

Após esta devolução, ficam liquidados 76% do empréstimo do FMI de 26 mil milhões de euros, salienta o Governo.

“Demos mais um passo na redução do custo do nosso financiamento”, declarou Centeno no Parlamento.

“Em 2018, a gestão da dívida publica deverá prosseguir objetivos muito concretos: minimizar os custos diretos e indiretos do financiamento, numa estratégia de longo prazo; garantir a distribuição adequada das amortizações pelos vários exercícios orçamentais; prevenir a excessiva concentração temporal das amortizações; evitar a exposição a riscos excessivos; alargar a base de investidores, tirando partido da melhoria do rating e da expansão para novos mercados de dívida”, sublinhou o ministro das Finanças.

Custos baixam

Portugal tem estado a acelerar o ritmo de devoluções para fazer baixar os custos das sua dívida por duas vias: em primeiro lugar, através da substituição do empréstimo mais oneroso do Fundo por colocação de nova dívida no mercado a taxas bem mais favoráveis; depois, porque ao baixar a exposição junto do Fundo, também alivia os juros cobrados pelo valor da dívida que permanece por pagar ao FMI.

Conforme explicou o ECO, Portugal paga uma penalização (um spread agravado) sobre o valor da dívida ao FMI que ultrapassa o limite que decorre da sua quota. Assim, ao amortizar antecipadamente estes nove mil milhões de euros, o spread médio exigido ao Tesouro português baixa em quase um terço.

Para o próximo ano estão previstos reembolsos de 1.400 milhões de euros e o custo do empréstimo vai cair ainda mais. Ainda não será o suficiente para que o país se liberte desta penalização extra já em 2018. Para isso será preciso enviar um cheque para Washington de mais 1.400 milhões além do que está previsto na proposta do Orçamento do Estado.

Mas o ECO sabe que o Governo está a trabalhar para isso, aproveitando o bom momento nos mercados de dívida.

(Notícia atualizada às 10h29 com declarações do ministro das Finanças no Parlamento)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal pagou mais 2,8 mil milhões ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião