Receitas turísticas sobem 19%. “É o crescimento do século”

Os turistas deixaram mais de 42 milhões de euros, por dia, em Portugal, entre janeiro a setembro. O setor está a crescer, sobretudo, na época baixa, destaca a secretária de Estado do Turismo.

As receitas turísticas ultrapassaram os 11,5 mil milhões de euros no acumulado de janeiro a setembro deste ano, o que representa um crescimento de 19% em relação a igual período do ano passado. “É o maior crescimento do século”, classifica a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.

Ao todo, segundo os dados do Banco de Portugal, as receitas turísticas ascenderam, no conjunto dos nove primeiros meses do ano, a 11.569 mil milhões de euros, um aumento homólogo de 19%. Significa isto que, neste período, os turistas estrangeiros gastaram mais de 42,3 milhões de euros, por dia, em Portugal.

Este foi “um crescimento recorde, o maior crescimento do século” e, só nestes nove meses, Portugal já superou o total de receitas turísticas arrecadadas no conjunto do ano de 2015, sublinhou Ana Mendes Godinho, durante o 43º Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que este ano decorre em Macau.

Também os gastos dos portugueses no estrangeiro estão a aumentar. Entre janeiro e setembro, os turistas portugueses gastaram 3,2 mil milhões de euros no estrangeiro, mais 13% do que em igual período do ano passado. Feitas as contas, o saldo da balança de viagens e turismo fixou-se em 8,3 mil milhões de euros, uma subida homóloga de 21%. O turismo responde, assim, por 71% da balança de serviços.

Para além deste contributo para a economia nacional, a governante salientou ainda que o turismo criou 53 mil postos de trabalho no terceiro trimestre. “Se compararmos setembro com o mês homólogo de 2015, temos mais 70 mil pessoas a trabalhar no turismo em Portugal”, afirmou. Mais importante, destacou ainda, “a atividade turística está também a alargar-se todo o ano, com as maiores taxas de crescimento a verificarem-se nos meses de época baixa“.

A jornalista viajou a Macau a convite da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas turísticas sobem 19%. “É o crescimento do século”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião