Novo CEO da Meo diz que a “estratégia de convergência” com os media é para manter

Novo CEO da Meo diz que Altice não vai mudar estratégia para a convergência de comunicações e conteúdos televisivos, apesar das mudanças na gestão e da pressão dos mercados para baixar dívida.

Recém-nomeado CEO da Meo, em substituição de Cláudia Goya, Alexandre Fonseca diz que a reorganização na gestão da Altice e PT Portugal não vai mudar a estratégia do grupo, assegurando que vai ser mantida a aposta na convergência nas áreas de comunicações e media e conteúdos. Esta afirmação surge num momento sensível para o grupo francês, pressionado por uma dívida de 50 mil milhões de euros que pode fazer abortar os planos para a compra da TVI em Portugal.

“Esta alteração na liderança da PT e a minha nomeação para presidente executivo ocorrem na sequência de uma reorganização da gestão do grupo Altice. Isto não significa que a estratégia já definida seja alterada, pois continuaremos a implementação de um programa integrado e convergente nas áreas de Comunicações, Media & Conteúdos e Publicidade Digital“, afirmou Alexandre Fonseca numa carta dirigida aos colaboradores da empresa a que o ECO teve acesso.

Na missiva, Alexandre Fonseca recupera as palavras do fundador israelita da Altice, Patrick Drahi, para descansar os trabalhadores em relação às dúvidas que os investidores estão a levantar sobre a sustentabilidade da dívida do grupo e que estão a abalar o valor das ações na bolsa. Salienta que “o grupo mantém intacta a sua sustentabilidade e capacidade de honrar os seus compromissos, bem como toda a credibilidade do projeto industrial”, sublinhando que pretende “regressar às origens da Altice” para impulsionar o crescimento do negócio em Portugal.

"Esta alteração na liderança da PT e a minha nomeação para presidente executivo ocorrem na sequência de uma reorganização da gestão do grupo Altice. Isto não significa que a estratégia já definida seja alterada, pois continuaremos a implementação de um programa integrado e convergente nas áreas de Comunicações, Media & Conteúdos e Publicidade Digital.”

Alexandre Fonseca

CEO da Meo

Desde o início do ano, a Altice já perdeu mais de 11 mil milhões de euros em termos de avaliação bolsista, o equivalente à capitalização bolsista da elétrica portuguesa EDP, num sinal de clara desconfiança do mercado em relação à estratégia de expansão internacional que o grupo empreendeu nos últimos anos com recurso à dívida.

Porém, o profit warning lançado na apresentação dos últimos resultados deixou o grupo na mira dos investidores, acionistas e agências de rating, preocupados com a solvabilidade da Altice perante o avolumar do endividamento.

Numa tentativa de acalmar os receios do mercado, Patrick Drahi já anunciou uma inversão na estratégia de expansão, dizendo que agora o foco está na redução da dívida através da alienação de alguns ativos. E isto numa altura em que continua pendente de aprovação dos reguladores portugueses da compra da Media Capital por 440 milhões de euros.

Para já, este negócio mantém-se aparentemente em cima da mesa. Mas a Altice já está a desfazer-se de torres de telecomunicações em França e ainda da sua operação na República Dominicana, sendo que este último negócio poderá render 3.000 milhões aos franceses.

“Ir mais longe”

Para as operações portuguesas, o objetivo do gestor de 43 anos passa por “consolidar e fazer crescer a posição de liderança que a Altice/Portugal Telecom detém no mercado português”. E lembra: “Somos a Portugal Telecom… estamos nos 308 municípios e mais de 3000 freguesias de Portugal. Somos das maiores organizações do nosso país e o único operador com atuação verdadeiramente nacional”.

É neste contexto que Alexandre Fonseca pretende “ir mais longe” em 2018. “Ir mais longe e crescer o nosso negócio, na área das Comunicações, mas essencialmente procurar este crescimento em novas áreas de atividade, criando parcerias estratégicas que permitam diversificar a nossa oferta”, detalha o antigo administrador com o pelouro tecnológico da operadora, agradecendo a confiança dos fundadores da Altice, Drahi e Armando Pereira.

(Notícia atualizada às 12h01 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo CEO da Meo diz que a “estratégia de convergência” com os media é para manter

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião