Exclusivo Direitos de propriedade intelectual da Altice Labs passam para a Altice

Os direitos de propriedade intelectual da Altice Labs (ex-PT Inovação) trocaram de mãos. Passaram da PT Portugal para a holding do grupo, cotada em Amesterdão.

A Altice Labs é a antiga PT Inovação da Portugal Telecom. Tem sede em Aveiro. Na fotografia, Patrick Drahi, fundador do grupo Altice, que detém cerca de 60% da companhia.PAULO NOVAIS/LUSA

Os direitos de propriedade intelectual da Altice Labs, antiga PT Inovação, foram transferidos pela PT Portugal para a holding do grupo Altice, apurou o ECO junto de fontes conhecedoras do processo. A passagem deste ativo para a posse do grupo franco-israelita terá acontecido durante o período em que Cláudia Goya foi presidente executiva da companhia.

A Altice Labs tem sede em Aveiro e é uma avançada unidade tecnológica que emprega mais de 700 engenheiros, a maioria em Portugal. Exporta inovação portuguesa para mais de 35 países onde o grupo franco-israelita está presente. É o polo de desenvolvimento tecnológico da dona da PT/Meo, que estava até agora na gestão direta de Alexandre Fonseca, o novo presidente executivo.

A operação acontece dentro do próprio grupo e, ao que o ECO apurou, terá tido um impacto positivo nas contas da Meo no terceiro trimestre, avaliado em 15 milhões de euros. Entre julho e setembro, com Cláudia Goya aos comandos da operadora portuguesa, a PT/Meo registou receitas de 566,2 milhões de euros, uma queda de 3,1% em relação aos mesmos três meses de 2016. O EBITDA ajustado [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] fixou-se em 265 milhões, um recuo de 1,2%.

Além de impulsionar as contas da Meo em Portugal, a transferência dos direitos de propriedade intelectual da Altice Labs para a posse da Altice poderá ter outra justificação. Uma das explicações, adianta uma fonte da companhia que pediu o anonimato, é a agilização dos processos de registo de propriedade intelectual nos diferentes mercados em que opera, uma vez que a totalidade dos mesmos ficará num ambiente de multinacional, ao invés de estar nas mãos de uma subsidiária. Assim, acrescenta, protegerá a possibilidade de poder continuar a aplicar tecnologia nos diferentes mercados em que opera.

O ECO confrontou a Altice com estas informações e remeteu três perguntas: se a empresa confirma que os direitos foram vendidos, qual o montante da operação e qual o impacto financeiro da mesma nos resultados do terceiro trimestre. Mesmo após insistência, a PT/Meo não respondeu às perguntas feitas.

Fonte oficial da empresa limitou-se a dizer ao ECO: “A Altice Labs é o Centro de Investigação e Desenvolvimento da Altice no mundo, com mais de 700 engenheiros que trabalham em inovação e tecnologia. Por isso a Altice Labs está a fornecer, com contratos, soluções, produtos, serviços e tecnologias para todas as afiliadas da Altice no mundo. Por exemplo, fornece tecnologia e expertise para a implementação de fibra ótica nos EUA, assim como para França. A Altice Labs vende, acima de tudo, serviços e soluções para clientes em todo o mundo – mais de 35 países – e é um ativo essencial para a Altice e parte da história, identidade e futuro da Altice em Portugal.”

A nota não desmente, no entanto, estas informações. No mercado, tem sido referido que a operação poderá resultar num encaixe total de 30 milhões de euros para a PT Portugal, um valor que a empresa nega perentoriamente. Questionada sobre se os direitos da Altice Labs foram vendidos por esse valor, fonte oficial da Altice limitou-se a responder: “Não é verdade que se tenham vendido esses direitos por 30 milhões de euros à Altice.” Pelo menos para já. Porque fontes garantem que, apesar dos 15 milhões que já deram entrada na empresa, como apurou o ECO, outros 15 milhões poderão entrar em breve, mas ainda sem garantias.

A PT tem vindo a enaltecer o trabalho que os engenheiros portugueses têm vindo a desenvolver na Altice Labs. Tecnologia com ADN português tem sido usada para ampliar a rede de fibra ótica da operadora no país, mas também em França e nos Estados Unidos. Outras inovações feitas pela PT em Aveiro estão a chegar aos quatro cantos do mundo, através da vasta rede de subsidiárias do grupo Altice, detido pelo multimilionário Patrick Drahi. O laboratório de inovação está também a trabalhar no desenvolvimento de soluções para acelerar a chegada do 5G, a quinta geração de rede móvel que Bruxelas quer começar a lançar já em 2020.

"A Altice Labs vende, acima de tudo, serviços e soluções para clientes em todo o mundo – mais de 35 países – e é um ativo essencial para a Altice e parte da história, identidade e futuro da Altice em Portugal.”

PT/Meo

Fonte oficial

Patrick Drahi é conhecido pelas aquisições de empresas, uma atitude que lhe levou a acumular já mais de 50 mil milhões de euros de dívida. O verniz estalou no momento em que o grupo apresentou fracos resultados do terceiro trimestre no início deste mês, que levantaram dúvidas aos investidores quanto à capacidade da empresa de pagar o avultado passivo. As ações da Altice começaram a cair a pique e já desvalorizaram mais de 50% desde 2 de novembro.

Numa carta enviada aos trabalhadores da PT, a que o ECO teve acesso, Patrick Drahi escreveu: “A nossa dívida está garantida a 85% com taxa fixa e o primeiro reembolso relevante não acontecerá antes de 2022. Quer isto dizer, claramente, que se as taxas subirem ou se as agências revirem a notação da nossa dívida, tal não terá rigorosamente nenhum impacto na empresa nos cinco próximos anos.” Certo é que a S&P reviu mesmo o outlook da dívida da Altice esta quinta-feira, precipitando novamente as ações do grupo em direção ao precipício.

Face aos resultados que o grupo alcançou, aquém do esperado pelos investidores, deu-se uma mudança de estratégia: a da venda de ativos para abater dívida — como a subsidiária na República Dominicana, torres de telecomunicações na Europa e um negócio na Suíça. Para já. A operação de transferência dos direitos de propriedade intelectual da Altice Labs, porém, não deverá ser inserida neste contexto de travagem das compras e venda de ativos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Direitos de propriedade intelectual da Altice Labs passam para a Altice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião