Galamba Oliveira: “Os seguros passam frequentemente ao lado dos decisores políticos”

O representante das seguradoras salienta o papel do setor na economia,considerando que muitas vezes não é valorizado pelos decisores políticos.

Absolutamente central”, é desta forma que José Galamba de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS) classifica a relevância do setor que representa para a economia, um papel que segundo o próprio “frequentemente passa ao lado dos decisores políticos“.

A crítica foi deixada pelo representante das seguradoras no âmbito da conferência anual da APS que se realiza esta segunda-feira à tarde, em Lisboa, e cujo tema é precisamente “A importância da atividade seguradora na economia portuguesa”.

Neste âmbito, José Galamba de Oliveira, destaca o facto de que o setor dos seguros “não é protagonista de crises“, salientando ainda que as seguradoras “são conservadoras nos investimentos“, e que “não são notícia quando pagam indemnizações”.

Galamba de Oliveira destaca na atividade seguradora a relevância que esta pode ter no que diz respeito “à diferença entre a recuperação rápida e a recuperação lenta de problemas“, dando como exemplo os violentos incêndios que afetaram nos últimos meses sobretudo o norte e o centro do país, elogiando a “forma célere” como se processou o processo de recuperação. “Ter seguro faz de facto a diferença”, referiu a este propósito.

O presidente da APS destaca ainda o papel solidário das seguradoras na gestão do tema dos incêndios, com a criação de um fundo solidário de 5,6 milhões de euros que permitiu “evidenciar a vocação mais humanista e menos economicista” por parte do setor.

Há muito por fazer nos seguros

Mas para Galamba de Oliveira ainda há muito por fazer em matéria de seguros no país. “Os seguros per capita em Portugal estão abaixo da média europeia e a relação entre os prémios e o Produto Interno Bruto também está aquém da média europeia”, lembra o responsável da APS.

Uma opinião que é partilhada por José Almaça, presidente da ASF, o regulador do setor dos seguros, nomeadamente no segmento das catástrofes. Nomeadamente, no que respeita aos riscos dos incêndios e sísmicos. “É uma área que tenderá a agravar-se [catástrofes] e a penetração é ainda incipiente na sociedade portuguesa”, alerta o presidente da ASF, salientando que “é tempo de recuperar esse projeto e dar-lhe prioridade”, “reforçando a resiliência a eventos cada vez mais preocupantes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galamba Oliveira: “Os seguros passam frequentemente ao lado dos decisores políticos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião