Nobel da Economia não está “otimista” com acordo sobre o Brexit

  • ECO e Lusa
  • 8 Dezembro 2017

Não estou otimista quanto a bom acordo porque a União Europeia não tem condições para dar um bom tratamento ao Reino Unido, disse o Prémio Nobel da Economia.

O Nobel da Economia Richard Thaler disse esta sexta-feira que não está “otimista quanto a um bom acordo” para o Reino Unido sobre a sua saída da União Europeia (UE), estando por definir quanto é que isto custará.

“Não estou otimista quanto a bom acordo porque a União Europeia não tem condições para dar um bom tratamento ao Reino Unido já que, entre outras razões, não quer abrir um precedente para situações semelhantes”, afirmou o economista à agência espanhola Efe.

Não estou otimista quanto a bom acordo porque a União Europeia não tem condições para dar um bom tratamento ao Reino Unido já que, entre outras razões, não quer abrir um precedente para situações semelhantes.

Richard Thaler

Nobel da Economia

O norte-americano, que recebe no domingo o Prémio Nobel da Economia 2017 em Estocolmo (na Suécia) pelo trabalho desenvolvido na área da economia comportamental e das finanças, considerou que, “seguramente, não haverá ganhos económicos para o Reino Unido ao deixar a União Europeia”. A questão é quanto terá de pagar”, acrescentou, falando num “custo elevado”.

Para Richard Thaler, os britânicos que votaram no referendo a favor do ‘Brexit’ “não o fizeram com base em cálculos racionais”. “Se agora perguntássemos às pessoas quanto é que estariam dispostas a pagar para [o Reino Unido] sair da União Europeia, não creio que fosse um valor muito alto”, disse.

O economista galadoardo sugeriu, por isso, que a primeira-ministra britânica, Theresa May, desse “aos britânicos […] uma oportunidade para o repensarem”, nomeadamente através de voto naquele Parlamento.

O magnata Arron Banks, promotor da campanha a favor do Brexit, foi mais longe e acusou a primeira-ministra, Theresa May, de trair o seu país com os termos do acordo do divórcio com a União Europeia. O responsável apelou mesmo aos conservadores para desencadearem o processo necessário para a afastar da liderança do partido.

“Sob a liderança de Theresa May, só estamos a sair da União Europeia no papel”, disse num comunicado, citado pela Reuters. “Se alguém no Partido Conservador ainda tiver alguma integridade ou sentido de dever, apelamos-lhes que salvem o Brexit ao contestar a liderança. Theresa May traiu o país e os 17,4 milhões de eleitores que votaram sim no referendo”.

Sob a liderança de Theresa May, só estamos a sair da União Europeia no papel. Se alguém no Partido Conservador ainda tiver alguma integridade ou sentido de dever, apelamos-lhes que salvem o Brexit ao contestar a liderança.

Arron Banks

Magnata britânico

 

Segundo Bruxelas, foram efetuados “progressos suficientes” nos três domínios prioritários: direitos dos cidadãos, diálogo sobre a Irlanda/Irlanda do Norte e acordo financeiro com o Reino Unido, considerando o negociador-chefe da UE, Michel Barnier, que “serão protegidas as opções de vida dos cidadãos da UE que vivem no Reino Unido”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nobel da Economia não está “otimista” com acordo sobre o Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião