Governo cria “programa de trabalho” para reavaliar concessão do serviço postal dos CTT

O Governo vai criar um grupo de trabalho para analisar o serviço prestado pelos CTT no âmbito da concessão do serviço postal universal e chegar a "possíveis ações de melhoria contínua", apurou o ECO.

O Governo decidiu avançar com a criação de “um programa de trabalho” com vista a analisar o serviço prestado pelos CTT no âmbito do contrato de concessão do serviço postal universal, disse ao ECO fonte oficial do gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas. O trabalho “ocorrerá durante o primeiro trimestre de 2018” e será levado a cabo “em articulação e com base na disponibilidade dos CTT”. A intenção é envolver também outras “entidades relevantes” e chegar a “possíveis ações de melhoria contínua”.

“O Governo decidiu desenvolver um programa de trabalho, em articulação e com base na disponibilidade dos CTT, envolvendo entidades relevantes, tais como Governos Regionais, ANMP, ANAFRE, e parceiros com assento na CPCS, em ordem a uma análise do serviço desenvolvido por aquela empresa no âmbito do contrato de concessão em vigor, e possíveis ações de melhoria contínua. Esse trabalho ocorrerá durante o primeiro trimestre de 2018″, lê-se num comunicado enviado ao ECO. A decisão surge “na sequência da apreciação dos indicadores de qualidade de serviço prestado pelos CTT, informação sustentada em auditoria independente”, sublinha a mesma fonte.

"O Governo decidiu desenvolver um programa de trabalho (…) em ordem a uma análise do serviço desenvolvido por aquela empresa no âmbito do contrato de concessão em vigor, e possíveis ações de melhoria contínua.”

Gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas

Fonte oficial

Esta decisão surge numa semana em que serão discutidas e votadas no Parlamento quatro propostas da esquerda para os CTT CTT 1,14% . Três delas, do PCP, do BE e do PEV, recomendam ao Governo o início dos procedimentos para reverter a privatização da empresa liderada por Francisco de Lacerda. A quarta é assinada pelo PS e recomenda precisamente ao Governo a “criação de um grupo informal” para avaliar “as responsabilidades contratuais subjacentes à concessão”. Desta feita, o Executivo antecipa-se à sessão parlamentar desta sexta-feira.

Contactada, a empresa optou por não acrescentar mais nada à posição do Governo. Por ocasião da apresentação do projeto de resolução dos socialistas, os CTT já tinham assegurado que cumprem os padrões de serviço contratualizados. “Os CTT asseguram, enquanto concessionário do serviço postal universal, os padrões de serviço, qualidade e cobertura de rede previstos na lei e no contrato de concessão”, disse fonte oficial.

Esta onda de críticas dos partidos aos CTT nasce num momento especialmente crítico para a companhia. Os partidos escudam-se numa decisão recente da Anacom, que concluiu que 2,3 em cada 1.000 cartas não chegaram ao destino no prazo de 15 dias. O regulador concluiu, assim, que os CTT não cumpriram este padrão mínimo de qualidade e vai decretar uma penalização, que se traduzirá numa redução dos preços do correio.

(Notícia atualizada às 17h14 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo cria “programa de trabalho” para reavaliar concessão do serviço postal dos CTT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião