OPEP: Corte da produção permitirá equilíbrio do mercado petrolífero em 2018

  • Lusa
  • 13 Dezembro 2017

A OPEP prevê que a produção de petróleo de xisto dos Estados Unidos suba para níveis máximos.

O corte da produção de petróleo lançado há um ano pela OPEP para reduzir o excesso de oferta permitirá que o mercado fique equilibrado em finais de 2018, segundo as previsões da OPEP.

No mais recente relatório da OPEP (Organização de Países Exportadores de Petróleo), divulgado em Viena, o organismo refere que também prevê que a produção de petróleo de xisto dos Estados Unidos suba para níveis máximos.

Assim, a OPEP prevê que a produção total da concorrência aumente em 0,9 milhões de barris por dia para um total de 56,58 milhões de barris por dia.

A produção dos Estados Unidos, especialmente de petróleo de xisto, deverá crescer 1,05 milhões de barris por dia e será o único responsável por aquele aumento.

As extrações de xisto chegarão em 2018 até aos 5,48 milhões de barris por dia, mais 17% do que no ano passado e acima da produção máxima de sempre, de 4,70 milhões de barris por dia registada em 2015.

“A previsão de 2018 para o fornecimento de países não OPEP está associado a consideráveis incertezas, particularmente relacionadas com o desenvolvimento do petróleo de xisto dos Estados Unidos”, indicam os especialistas da OPEP.

O grupo petrolífero afirma que já em 2017 a produção norte-americana vai crescer 4,45% e que se espera que aquele ritmo “continue em 2018 impulsionado de crescentes investimentos em petróleo de xisto dos Estados Unidos e de poços mais eficientes”.

A extração de petróleo de xisto, mais cara do que a do petróleo convencional, começou a cair em 2015 quando a descida dos preços fez com que aquelas exportações deixassem de ser rentáveis.

Agora, com a recuperação do custo do petróleo, graças à política de cortes da OPEP, o xisto volta a ser interessante para os investidores.

Face ao aumento da produção dos Estados Unidos, a OPEP estima que poderá colocar em 2018 no mercado uma média de 33,2 milhões de barris por dia, apenas mais 1% do que neste ano.

A produção da Rússia, um dos aliados da OPEP na estratégia de corte da produção, deverá cair 1,36%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OPEP: Corte da produção permitirá equilíbrio do mercado petrolífero em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião