Gonçalo Anastácio na Chambers and Partners

Gonçalo Anastácio e Nuno Calaim Lourenço são os autores do capítulo de Portugal da edição de 2018 da publicação internacional “Merger Control” da Chambers and Partners

Gonçalo Anastácio e Nuno Calaim Lourenço, sócio e advogado coordenador da SRS Advogados, são os autores do capítulo de Portugal da edição de 2018 da publicação internacional “Merger Control” da Chambers and Partners.

Os especialistas em direito da Concorrência analisam a lei processual e substantiva que regula a tramitação, apreciação e decisão das operações de concentração que são notificáveis à Autoridade da Concorrência em Portugal, cobrindo temáticas específicas como as exigências de notificação, os prazos para a apreciação das operações, a sua análise substantiva, o regime dos compromissos, a aplicação de sanções, a intervenção de terceiros no procedimento, a possibilidade de impugnação judicial e uma breve alusão a dados estatísticos.

Gonçalo Anastácio, sócio e membro do CA da SRS Advogados – onde lidera o Departamento de Concorrência e UE – foi sócio da Simmons & Simmons, em cujo escritório de Londres trabalhou. Membro do Círculo de Advogados de Direito da Concorrência, é também autor de obras de referência nacionais e internacionais em direito da concorrência. Licenciado por Coimbra, Pós-graduado em Estudos Europeus pela Sorbonne e Mestre em Direito Comunitário pela FDL, onde foi docente da licenciatura e pós-graduações. Especialista em Direito Europeu e da Concorrência pela Ordem dos Advogados e top band nos diretórios de referência Chambers e L500.

Nuno Calaim Lourenço, advogado coordenador no departamento de Concorrência e UE da SRS Advogados, tem sido autor de várias publicações sobre temas do direito da UE e concorrência. Trabalhou anteriormente na Direção Geral de Concorrência da Comissão Europeia e na sociedade de Advogados White & Case, em Bruxelas. Doutorando em Ciências Jurídico-económicas, pela Faculdade de Direito de Lisboa, tem ainda um LL.M., Master of Law em Direito de Concorrência, pela Queen Mary, Universidade de Londres e um Mestrado em Direito da UE pela Universidade de Lisboa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gonçalo Anastácio na Chambers and Partners

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião