CTT reafirmam dividendo de 38 cêntimos, mas abrem a porta a mais cortes na remuneração acionista

Administração quer uma política de dividendos alinha com os lucros, deixando aberta a porta a mais cortes na remuneração acionista nos próximos anos em que a reestruturação vai impactar nas contas.

Alerta ao investidor. Os CTT garantem que vão pagar o dividendo de 38 cêntimos relativos ao exercício deste ano, abaixo dos 48 cêntimos iniciais, mas admitem baixar de novo o dividendo nos próximos anos. A administração pretende ter uma política de remuneração acionista “alinhada com o seu resultado líquido”. Mas com o plano de reestruturação a impactar nas contas dos próximos anos, está aberta a porta a novos cortes no dinheiro a distribuir pelos acionistas.

“Durante o período de investimento do plano de transformação operacional (2018-2019), o Conselho de Administração tenciona propor que a empresa implemente uma política de dividendos alinhada com o seu resultado líquido, reforçada com a utilização de reservas distribuíveis“, lê-se no comunicado da empresa liderada por Francisco Lacerda ao mercado.

O dividendo de 38 cêntimos relativos ao exercício de 2017, a ser pago em 2018, foi reafirmado.

Aquando da apresentação dos resultados dos primeiros nove meses do ano, os CTT anunciaram uma redução de 20% da remuneração aos acionistas dos 48 cêntimos para os 38 cêntimos. Isto depois de ter registado uma quebra acentuada do lucro, razão pela qual a administração apresentou agora um plano de reestruturação para devolver confiança aos investidores e trabalhadores.

Este plano prevê a saída de 1.000 trabalhadores nos até 2020 e os cortes salariais vão chegar à administração. Francisco Lacerda vai ver o seu salário reduzido em 25%, enquanto os restantes administradores terão cortes de 15%. Além disso, prémios relativos aos anos de 2017 e 2018 vão ser eliminados.

Os CTT dizem que “é expectável que as medidas planeadas criem um impacto positivo no EBITDA recorrente a partir do próximo ano, contrariando a queda do tráfego de correio (apesar dos gastos não recorrentes envolvidos)”.

Em 2016, os CTT destinaram 72 milhões de euros para a distribuição de dividendos, acima do lucro de 62 milhões de euros, o que obrigou Lacerda a recorrer a reservas distribuíveis. Ou seja, o payout superou os 100%. É o que deverá acontecer nos próximos anos, sinaliza a empresa de correios postais.

(Notícia atualizada às 18h05)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT reafirmam dividendo de 38 cêntimos, mas abrem a porta a mais cortes na remuneração acionista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião