Exclusivo CTT mudam administrador financeiro antes da reestruturação

André Gorjão Costa está de saída da administração dos CTT a dois anos de terminar o mandato e antes de apresentado o plano de reestruturação. Guy Pacheco vai ser o novo CFO da empresa.

André Gorjão Costa vai abandonar o cargo de CFO dos CTT.Paula Nunes/ECO

O administrador financeiro dos CTT está de saída da empresa, sabe o ECO. André Gorjão Costa abandona o cargo de CFO (chief financial officer) dois anos antes do fim do mandato, num momento particularmente sensível para os Correios. Os CTT preparam-se para anunciar nas próximas horas um plano de reestruturação para os próximos três anos para travar a quebra dos resultados. Mas já há substituto: A escolha recaiu em Guy Pacheco, até há poucos meses CFO da PT Portugal.

André Gorjão Costa era CFO dos CTT CTT 0,84% desde 2012, tendo sido reeleito para um novo mandato nos CTT ainda este ano e que termina em 2019. A demissão corresponde, na prática, à primeira baixa na sequência os resultados e da reestruturação que aí vem. Oficialmente, ninguém comenta as razões da saída, mas haverá diferentes visões entre Lacerda e Gorjão Costa sobre a estratégia a seguir, que deverá, de resto, ser conhecida no plano de reestruturação.

Nos últimos resultados trimestrais, a administração liderada por Francisco Lacerda emitiu um profit warning para as contas de 2017, as quais deverão registar um forte rombo devido à quebra do negócio postal. Por causa disto, o dividendo que se esperava ser de 0,48 euros foi revisto em baixa para 0,38 euros, colocando os CTT no olho do furacão dos investidores. Para dar a volta à situação, foi anunciado um plano de reestruturação que deverá conhecer a luz do dia ainda hoje.

Para substituir Gorjão Costa, o ECO sabe que vai entrar Guy Pacheco, administrador financeiro da Altice/PT até ao passado mês de abril. Pacheco saiu do grupo de telecom em divergência com o plano defendido pela gestão da Altice para a PT Portugal.

O ECO confrontou a administração dos CTT sobre esta mudança de CFO, mas fonte oficial da companhia escusou-se a fazer quaisquer comentários. Entretanto, já depois de publicada esta noticia, os CTT comunicaram ao mercado esta mudança.

Sobre o plano de reestruturação, ainda nada foi oficializado, além do processo de rescisões amigáveis aberto há algumas semanas, para a saída de cerca de 300 trabalhadores, sobretudo aqueles que estão mais perto da reforma, para proceder a uma otimização dos custos operacionais face ao redimensionamento do atividade postal dos CTT: menos cartas para entregar, menos trabalhadores para as entregar.

Por outro lado, foi a própria gestão dos CTT que adiantou em conferência telefónica com os investidores que pode vir a entregar a gestão de alguns postos dos correios a privados.

Assim, enquanto Francisco Lacerda prepara um plano para dar confiança aos investidores, na Assembleia da República discutiu-se se a privatização dos CTT em 2013. O Bloco de Esquerda pediu a reversão da privatização que fez quatro anos agora em dezembro. Para já, o Governo criou um grupo de trabalho que vai avaliar o trabalho prestado pelos CTT no âmbito da concessão do serviço postal universal e “chegar a eventuais ações de melhoria”.

Insatisfeitos com a evolução do serviço, os trabalhadores dos CTT vão estar em greve nos próximos dias 21 e 22 de dezembro, um período crítico para a empresa por causa do aumento do volume de entregas no Natal.

Neste cenário, os CTT apresentam-se com um dos piores desempenhos bolsa de Lisboa em 2017. As ações perdem metade do valor este ano. Ainda assim, o dividendo é um dos mais atrativos no PSI-20. Os analistas esperam pelo plano de reestruturação para apurarem a sustentabilidade do negócio dos CTT.

(Notícia atualizada com comunicado da CMVM)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT mudam administrador financeiro antes da reestruturação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião