CTT estão em crise mas já dão melhor dividendo da bolsa

Ações dos Correios já perderam metade do valor este ano, mas apresentam já o melhor dividend yield da bolsa portuguesa. Boas notícias? Tenha cuidado com sustentabilidade do dividendo, dizem analistas.

Em crise na bolsa, os CTT CTT 0,48% escondem uma oportunidade única para os caçadores de dividendos. As ações dos Correios perdem metade do seu valor desde o início do ano, mas apresentam-se com a maior rentabilidade do dividendo da praça lisboeta. Mas atenção com a sustentabilidade da remuneração, alertam os analistas ouvidos pelo ECO.

Sob pressão desde que anunciou um corte de 20% do dividendo, a cotada liderada por Francisco Lacerda passa por momentos de profunda transformação do seu negócio. A atividade de entrega de cartas está em declínio por força da digitalização e os passos mais recentes da empresa vão no sentido de reforçar a aposta no segmento de “Expresso e Encomendas”, onde as receitas estão a crescer mais de 9% este ano. Isto enquanto o banco postal ainda não traz os resultados pretendidos. Pelo contrário, continua a agravar prejuízos.

Os CTT têm o título com o pior desempenho da bolsa nacional em 2017. Cedem 49% desde o início do ano, embora a desvalorização se tenha acentuado em novembro, depois de a cotada ter apresentado uma queda de 57% dos lucros nos nove primeiros meses do ano, o que obrigou Francisco Lacerda a rever em baixa a política de remuneração dos acionistas — baixou o dividendo dos 48 cêntimos para os 38 cêntimos. Além disso, a ação tem sido alvo preferido de investidores especulativos que apostam na desvalorização da cotação.

O enquadramento não é favorável para quem investe nos CTT, dado que o preço da ação pode cair ainda mais. Ainda assim, há uma oportunidade que mais nenhuma ação do PSI-20 oferece. Com o título a transacionar nos 3,22 euros, o dividendo de 38 cêntimos prometido pela administração apresenta-se com uma taxa de rentabilidade de 13%. É o maior dividend yield na bolsa de Lisboa.

CTT têm o maior dividend yield do PSI-20

Fonte: Bloomberg

O dividend yield trata-se um rácio financeiro muito utilizado pelos investidores para avaliarem a atratividade do dividendo. Compara o valor do dividendo que será distribuído pela empresa com o preço da ação. Quanto mais elevada for esta taxa, mais atrativo é o dividendo. Mas atenção: uma taxa de retorno de dividendo não reflete as condições financeiras de uma empresa, podendo esconder algumas surpresas desagradáveis.

É o que lembram Albino Oliveira, gestor da Patris Investimentos, e a equipa de research do BiG ao ECO.

“É verdade que o dividend yield dos CTT é elevado. Contudo, o recente corte anunciado no dividendo e a revisão em baixa da meta para o EBITDA de 2017 representaram um forte choque negativo em termos da confiança dos investidores no título. A forte queda da cotação poderá também traduzir os riscos de novas reduções no dividendo“, alerta o Albino Oliveira.

Os analistas do banco de investimento sublinham que os investidores têm que ter em conta que o dividend yield só por si não é um bom indicador de futuros retornos. “É importante acima de tudo ter em conta qual será a sustentabilidade do dividendo que está a ser distribuído aos acionistas. No caso dos CTT, o corte de dividendos anunciado pela equipa de gestão veio salientar esta questão sensível”.

"É importante acima de tudo ter em conta qual será a sustentabilidade do dividendo que está a ser distribuído aos acionistas. No caso dos CTT, o corte de dividendos anunciado pela equipa de gestão veio salientar esta questão sensível.”

Equipa de research do BiG

Reestruturação será a carta decisiva

Os analistas sublinham que o plano de reestruturação já anunciado pela administração liderada por Francisco Lacerda e que visa baixar os custos de operação será uma carta decisiva no suporte da ação. Em cima da mesa estará a saída de 300 trabalhadores, mas as mudanças não deverão ficar por aqui.

Em conferência com os analistas, foi aberta a possibilidade de a gestão de alguns balcões dos CTT passar para terceiros, isto depois de na apresentação dos resultados a empresa ter anunciado que vai proceder a “uma reestruturação considerável dos custos, para ajustar a escala de operações às atuais necessidades, está a ser preparada, para ser apresentada antes do final do ano”.

“Agora, a ação está bastante dependente do plano de reestruturação que deverá ser anunciado até ao final do ano”, argumenta o BiG. Albino Oliveira concorda, enfatizando a importância de a gestão enviar sinais aos investidores de que tem a situação sob controlo.

“A atenção está agora no esperado plano de reestruturação (corte de custos) e no impacto que terá em termos da confiança dos investidores face ao título, no que se refere a aumentar a visibilidade e transmitir sinais em como a gestão conseguirá lidar com os vários desafios que o negócio enfrenta, nomeadamente a aceleração na queda do tráfego do correio endereçado”, diz o gestor da Patris.

"A atenção está agora no esperado plano de reestruturação (corte de custos) e no impacto que terá em termos da confiança dos investidores face ao título, no que se refere a aumentar a visibilidade e transmitir sinais em como a gestão conseguirá lidar com os vários desafios que o negócio enfrenta, nomeadamente a aceleração na queda do tráfego do correio endereçado.”

Albino Oliveira

Gestor de ativos da Patris Investimentos

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT estão em crise mas já dão melhor dividendo da bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião