Santana confirma pedido do Governo para Santa Casa entrar no Montepio. Vieira da Silva desmente qualquer pressão

  • ECO
  • 19 Dezembro 2017

Candidato à liderança do PSD confirma que o Governo e o Banco de Portugal "viam com bons olhos" a entrada da Santa Casa da Misericórdia no capital do Montepio Geral. Vieira da Silva desmente pressão.

Pedro Santana Lopes confirmou esta terça-feira, num comunicado enviado às redações citado pelo Observador, que a Santa Casa da Misericórdia recebeu um pedido do Governo e do Banco de Portugal para entrar no capital do Montepio Geral, e que pediu, enquanto provedor, uma auditoria. Mas o ministro Vieira da Silva desmente que o Executivo tenha feito qualquer pressão sobre Santana Lopes.

O candidato à liderança do PSD parece corroborar assim a informação dada por José Miguel Júdice no seu comentário na TVI e num artigo de opinião publicado simultaneamente no ECO, de que Santana Lopes, enquanto provedor, foi alvo de pressões para a Santa Casa entrar no Montepio Geral. No entanto, Santana não refere a “pressão” que José Miguel Júdice referiu.

Santana Lopes escreveu no comunicado que “as duas entidades”, o Governo e o banco central, “assumiram ver com bons olhos essa possibilidade, tendo declarado sempre que respeitavam a esfera da autonomia da SCML [Santa Casa da Misericórdia de Lisboa]” e pediram que fosse feita a entrada de capital. Santana Lopes pediu uma auditoria, em vez de dizer imediatamente que sim.

O ex-provedor da Santa Casa não confirma diretamente, assim, o escrito por José Miguel Júdice, que descrevia uma pressão irrecusável. “De uma forma muito correta e cordial, Santana Lopes telefonou-me e autorizou-me a relatar aqui do que ele me disse – afinal não queria ser banqueiro – e se o escândalo me parecia grave, agora acho que é mesmo gravíssimo”, escreveu José Miguel Júdice. “Em resumo, disse-me: há um ano, o Governo e o Banco de Portugal pressionaram para que a SCML entrasse no capital do Montepio e Santana Lopes achou que era muito difícil de resistir. Este é o primeiro escândalo que se intuía, mas agora se confirmou. O Governo e o BdP [Banco de Portugal] intrometem-se no que deveria ser a gestão autónoma da SCML. Vieira da Silva não fica bem na foto e a ele voltaremos. Santana Lopes não queria concordar, mas não achava que pudesse recusar sem mais conversas”.

Segundo o artigo publicado no ECO, Santana Lopes optou por pedir uma auditoria, precisamente, por não se sentir capaz de dizer que não às pressões vindas das instituições.

Ao longo desta terça-feira o ECO contactou o Banco de Portugal e o Governo, tanto o gabinete do primeiro-ministro como o Ministério do Trabalho, para lhes pedir uma reação às afirmações de José Miguel Júdice, mas não obteve qualquer resposta até à publicação deste artigo. Já fonte oficial da candidatura de Santana Lopes à liderança do PSD disse que o candidato não se pronunciaria agora sobre o tema.

Mas no final da reunião da Concertação Social, Vieira da Silva foi confrontado com as declarações de José Miguel Júdice e garantiu aos jornalistas: “Não fiz pressão sobre ninguém”. Questionado se a pressão poderia ter vindo do Executivo, o ministro do Trabalho assegurou também que “o Governo não fez pressão sobre ninguém”.

(Artigo atualizado às 21h36 com a reação de Vieira da Silva)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santana confirma pedido do Governo para Santa Casa entrar no Montepio. Vieira da Silva desmente qualquer pressão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião