Plano da Associação Mutualista vai a votos. O que está em cima da mesa?

  • Rita Atalaia
  • 27 Dezembro 2017

É esta quarta-feira que os associados da Associação Mutualista se reúnem para votarem o programa de ação e orçamento para o próximo ano. A AG decorre na sede do Montepio, a partir das 20h00.

Os associados da Associação Mutualista Montepio Geral reúnem-se esta quarta-feira em assembleia geral (AG). Em cima da mesa estará apenas um único ponto a discussão: “Deliberar sobre o programa de ação e orçamento para o ano de 2018 e parecer do Conselho Fiscal”, lê-se na convocatória da entidade liderada por Tomás Correia. Um plano que prevê um aumento dos lucros da associação (numa base individual) para 30,5 milhões de euros já no próximo ano, ou seja, praticamente duplicá-los face ao estimado para 2017.

A AG da Associação Mutualista junta os associados pelas 20h00, na sede do Montepio Geral, para discutirem o plano para o próximo ano. Isto numa altura em que a entidade liderada por Tomás Correia decidiu afastar Félix Morgado da presidência do Montepio — lugar que vai ser ocupado por Nuno Mota Pinto –, e em que se aguarda a entrada da Santa Casa no capital da instituição.

É necessário que, numa primeira convocatória, estejam pelo menos metade dos associados, “número que é de admitir não consiga alcançar-se”, afirmou a entidade liderada por Tomás Correia. É o que tem acontecido nas últimas AG e esta não deve ser exceção, sobretudo porque a reunião acontece entre o Natal e o Ano Novo, quando, tradicionalmente, os associados se ausentam.

No caso de não se alcançar o número necessário de associados, realizar-se-á uma segunda convocatória pelas 21h00, onde vão deliberar sobre o programa de ação e orçamento para o ano de 2018 e parecer do conselho fiscal independentemente do número de associados presentes. O programa de ação tem seis pontos, entre eles o aumento dos lucros (numa base individual, já que continua em terreno negativo em termos consolidados), mas também do número de mutualistas.

As seis prioridades da Associação para 2018

  • Racionalizar e otimizar o grupo. A Associação Mutualista quer avançar com uma “racionalização e redimensionamento da carteira de participações de capital nas empresas do grupo, em função do respetivo valor estratégico, risco e rendibilidade”. Para isso, quer “promover o alinhamento estratégico das empresas com as finalidades e os valores mutualistas”;
  • Vincular os associados e aumentar as receitas. A entidade liderada por Tomás Correia tem, atualmente, cerca de 630 mil associados. Mas quer ser capaz de “fidelizar os atuais e captar novos” associados, prevendo aumentar este número em 30 mil no próximo ano. A associação quer, ao mesmo tempo, acelerar a “dinâmica de captação de poupanças em receitas de modalidades mutualistas”. Segundo a dona do Montepio, as receitas associativas provenientes da afetação de poupanças às modalidades mutualistas atingiram os 551 milhões de euros em outubro;
  • Criar valor mutualista. A Associação Mutualista quer “desenvolver a relação associativa e a oferta mutualista de benefícios”. Isto através do ajustamento da características das modalidades às possibilidades e condições de mercado, mas também de uma renovação da oferta, “com modalidade mais flexíveis, inovadoras e de fácil adesão”;
  • Reforçar as competências. No próximo ano, a entidade liderada por Tomás Correia quer reforçar a estrutura de funcionamento da associação, “dotando-a com os recursos humanos e técnicos”, mas também através do “desenvolvimento das políticas, dos processos e procedimentos e respetivos normativos, com destaque para a política de investimentos e de gestão de balanço”;
  • Prosseguir a comunicação e a cooperação. Isto através do reforço da identidade da associação, manutenção de uma política de cidadania institucional e responsabilidade social ativa e continuar a cooperação e a colaboração dinâmica, no plano regional, nacional e internacional, com outras mutualidades e instituições do setor da economia social;
  • Desenvolver a política de responsabilidade social e sustentabilidade. A associação quer “reposicionar e dinamizar a atuação do Comité de Sustentabilidade, abrangendo as diversas entidades do Grupo Montepio ao mais alto nível”. No próximo ano serão definidas, no âmbito dos trabalhos deste comité, as “medidas e iniciativas conjuntas e de alinhamento da política de sustentabilidade e os indicadores chave de desempenho em sustentabilidade mais ajustados a essas medidas e a cada atividade”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Plano da Associação Mutualista vai a votos. O que está em cima da mesa?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião