Insolvências caem 23,1% em 2017

  • ECO
  • 28 Dezembro 2017

Número de insolvências diminui, este ano. Pouco mais de 600 empresas abriram este tipo de processo, em 2017, e mais de 10 mil pessoas declararam-se insolventes.

Este ano, o número de insolvências — tanto de particulares como de empresas — diminuiu. O relatório da consultora Infotrust sublinha que, em 2017, o número de companhias a declarar que não conseguem cumprir as suas responsabilidades financeiras baixou para 627, o que representa um emagrecimento de 23,1%. O aumento das receitas e o maior acesso ao financiamento bancário terão sido responsáveis por esta descida, a quarta consecutiva, avança o Dinheiro Vivo.

Já no que diz respeito aos particulares, a queda registada é de 5,8% face a 2016. Em 2017, quase 11 mil pessoas (10,803) entraram em insolvência. Esta tendência ficou a dever-se à recuperação da economia e do emprego.

Porto e Lisboa continuam a contabilizar um grande número de casos de insolvência, com o primeiro distrito a liderar a tabela com 3.359 processos. Ainda assim, também na Invicta ocorreu uma redução de 6% face ao ano de 2016. Em Lisboa, 1.852 pessoas declararam-se insolventes, o que representa uma queda de 17%. As exceções a esta regra são Aveiro e Viana do Castelo, onde se registou uma subida de 20%.

Quando um tribunal declara a insolvência significa que a pessoa ou a empresa não consegue cumprir com as responsabilidades financeiras, alargando-se, consequentemente, os prazos em que podem ser pagas ou mesmo obtendo alguns perdões de dívida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insolvências caem 23,1% em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião