Levar o carro à inspeção vai custar até 1,26% mais em 2018

  • Juliana Nogueira Santos
  • 28 Dezembro 2017

A partir de 1 de janeiro, inspecionar um veículo ligeiro passa a custar 25,27 euros, mais IVA. A atribuição de matrículas também vai ficar mais cara.

Levar o carro à inspeção em 2018 vai sair-lhe mais caro. Os novos preços aprovados pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) e publicado em Diário da República esta quinta-feira apontam para aumentos entre os 1,18% e 1,27%

A partir de 1 de janeiro, inspecionar um veículo ligeiro passa a custar 25,27 euros, um aumento de 1,23% relativamente aos 24,96 euros cobrados este ano. Um veículo pesado pagará uma tarifa de 37,82 euros, mais 1,22% que em 2017.

A inspeção de um reboque e semirreboque ficará nos 25,27 euros, enquanto as reinspeções de inspeções custarão 6,34 euros. As inspeções extraordinárias por acidente fixam-se, já em janeiro, nos 88,22 euros.

Nos extremos de variação encontram-se as inspeções a motociclos, triciclos e quadriciclos que avançou de 12,57 euros para 12,72 euros — mais 1,18% — e a emissão de segunda via de ficha de inspeção que passa de 2,35 euros a 2,38 euros, um avanço de 1,26%. A atribuição de matrículas também vai ficar 1,22% mais cara, passando a custar 63,08 euros. A todos estes valores acresce o IVA.

Desde 2015 que as tarifas das inspeções técnicas a veículos rodoviários são atualizadas anualmente de acordo com a taxa de inflação medida pelo índice de Preços do Consumidor Total, sem habitação. Como divulgou o Instituto Nacional de Estatística, a taxa fixou-se nos 1,23%, taxa esta que serviu de base ao IMT.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Levar o carro à inspeção vai custar até 1,26% mais em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião