Garrigues assessora Banco Finantia

A equipa da Garrigues foi liderada pela sócia Marta Graça Rodrigues e contou também com a participação de Vasco Rodrigues e Carolina Barrueca.

A Garrigues assessorou o Banco Finantia numa emissão de obrigações seniores com vencimento previsto em 2023 efetuada pela Mota-Engil, SGPS, SA. através de uma oferta particular.

A operação havia sido lançada em 11 de dezembro de 2017 e foi concluída já em janeiro de 2018. O Banco Finantia atuou como Lead Manager e Sole Bookrunner, tendo sido colocadas obrigações no montante de 60,5 milhões de euros.

A equipa da Garrigues foi liderada pela sócia Marta Graça Rodrigues e contou também com a participação de Vasco Rodrigues e Carolina Barrueca.

Em novembro, a sociedade – com sede em Espanha – aprovou a nomeação de 12 novos sócios. Dois são portugueses, seis operam em Espanha, três exercem funções na América Latina e um na China. No total, a sociedade tem 292 sócios.

Lino Torgal e Tiago Cassiano Neves são desde novembro sócios portugueses da Garrigues, para as áreas de Direito Público e Direito Fiscal, respetivamente. Torgal, com experiência em Direito Administrativo, Energia, Ambiente e Transportes e sócio fundador do escritório Lino Torgal & Associados, já tinha entrado para a Garrigues no passado mês de julho, passando agora formalmente à qualidade de sócio. Já o currículo de Cassiano Neves passa pela área Fiscal Internacional, nomeadamente em funções de assessoria a investidores globais em complexas transações de investimento e reestruturação.

A sociedade de advogados destaca também a promoção de Roberto Borrás na Colômbia, que ocupou os postos de Superintendente Financeiro, diretor-geral da Regulação Financeira do Ministério das Finanças e Crédito Público e de presidente do Autorregulador do Mercado de Valores do país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garrigues assessora Banco Finantia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião