Carro, avião, comboio ou autocarro. Quanto custa ir de Lisboa ao Porto?

Ligar Lisboa ao Porto não tem de ser um golpe sério no seu orçamento. Como conseguir o melhor preço? Esteja atento, seja flexível e aproveite as promoções nos transportes.

Viajar da capital até à invicta e regressar não tem de custar muito dinheiro. Tradicionalmente, o carro é a opção preferida, embora nem sempre a mais barata. Há autocarros, comboios e até ligações aéreas que podem poupar alguns euros, ou mesmo centenas de euros, especialmente se for um dos “sortudos” ao apanhar as várias promoções que vão sendo lançadas. A CP, por exemplo, permite viajar entre Lisboa e o Porto por apenas dez euros, mas não é fácil apanhar estes lugares.

Visitar o Porto não tem de ser um golpe severo no seu orçamento.Pixabay

Não é inédito — já o tem feito noutras ocasiões –, mas sempre que a empresa transporte ferroviário portuguesa faz uma campanha, são muitos os que aproveitam a oportunidade. Desta vez foram tanto que o site “crashou”, levando a CP a prolongar o preço promocional de cinco euros por viagem. E mesmo assim estão já quase esgotados todos os bilhetes, pelo que terá de se preparar para abrir os cordões à bolsa ou estar atento e ser flexível para conseguir fazer os melhores negócios.

De comboio, os títulos são disponibilizados 60 dias antes da data da viagem com preços promocionais, pelo que com bom olho e preparação consegue visitar a segunda maior cidade portuguesa com pouco mais de 20 euros — se não conseguir os dez euros. De avião, os preços podem ser ainda mais baixos: começam nos 19,98 euros, mas facilmente engordam para centenas de euros. Neste caso, o melhor é mesmo estar atento e disposto a escolher datas ou horários menos desejáveis.

Se escolher viajar de autocarro, o puzzle que é montar uma deslocação aérea desfaz-se: os preços são os mesmos para qualquer data ou horário e o trajeto fica-lhe a 34 euros (ida e volta). A opção mais económica não é, no entanto, nenhum destas referidas: vá de carro, partilhe a viagem e vai fazer a maior poupança. Ir de boleia significa desembolsar 36 euros.

A opção mais cara acaba por ser a mais tradicional: ir de carro. A viagem (ida e volta) custa 88,61 euros. Mas num carro de cinco lugares cheio, e se em vez de ir à boleia optar por dar boleia, pode ter lucro.

Contas feitas, resta-lhe ponderar os restantes fatores, fazer as malas e conquistar esta rota. Para que melhor decida como quer fazer esta viagem, o ECO recolheu abaixo todos os truques, vantagens e desvantagens de cada meio de transporte.

Se quer ir de Lisboa ao Porto, levantar voo é uma das opções mais em conta.Pixabay

Quer ganhar asas e poupar? Esteja atento

Bom olho, jogo de cintura e preparação. São essas as qualidades do cliente que consegue arrebatar os melhores preços. Ir de Lisboa ao Porto de avião pode ser uma das opções mais baratas… mas também pode ser das mais caras. Os preços começam nos 20 euros e facilmente levantam voo. Para conseguir as tarifas mais baixas deve marcar a viagem com antecedência e estar disposto a regressar alguns dias depois do previsto ou num horário menos desejável. Do ponto de vista das transportadoras aéreas e face ao sucesso da rota Lisboa-Porto, há apenas dois desejos: consolidar a oferta e aumentar a procura.

Vantagens de escolher ir de avião:

  • A viagem de avião é a mais rápida. É possível ir de Lisboa ao Porto em apenas uma hora.

Desvantagens:

  • Os bilhetes apenas incluem bagagem de mão, isto é, se desejar levar mais bagagem consigo terá de pagar uma tarifa extra para os volumes de bagagem adicionais. Mesmo na TAP, a classe mais económica não inclui um volume maior.
  • Tem de chegar ao aeroporto com pelo menos uma hora de antecedência para cumprir todos os requisitos e passos exigidos.

Milhares de Portugueses continuam a efetuar reservas todas as semanas na nossa rota entre o Porto e Lisboa.

Ryanair
  • Ryanair

Ligar a capital à invicta fica, no mínimo, a 9,99 euros por viagem, na Ryanair. Para conseguir esta tarifa terá, no entanto, de se preparar com algumas semanas ou meses de antecedência. Por exemplo, uma viagem para o fim de semana de 17 a 18 de fevereiro (ou seja, com mais de um mês de antecedência) terá apenas de desembolsar, no total, 19,98 euros… mas terá de regressar a meio do dia de domingo — estes eram os preços na simulação realizada a 9 de janeiro. Se quiser voltar à noite, o preço cresce para 33,30 euros. Para gozar a noite de domingo no Porto e manter o preço em 19,98 euros, poderá sempre regressar na segunda-feira, às 6h25 e aproveitar o resto do dia de volta a casa.

Para viagens mais espontâneas, marcadas com, por exemplo, apenas com dez dias de antecedência, o caso muda. No melhor cenário para o fim de semana de 20 a 21 de janeiro, o preço ronda os 40 euros. Mais uma vez, os horários mais baratos deixam pouco tempo ao visitante para aproveitar a cidade. Por isso, se quiser chegar cedo e sair tarde do Porto, terá de desembolsar 146,26 euros. Mais uma vez, escolher regressar à capital na segunda de manhã e não no domingo à noite é bastante proveitoso: o preço final desce para 59,98 euros.

Milhares de portugueses continuam a efetuar reservas todas as semanas na nossa rota entre o Porto e Lisboa“, avançou ao ECO a transportadora aérea irlandesa. Segundo a companhia, desde o lançamento dessa rota que a sua frequência já aumentou para três voos diários (à exceção de terça-feira e sábado, em que apenas se registam dois voos por dia).

TAP oferece 18 voos diários entre Lisboa e Porto.
  • TAP

Na transportadora aérea portuguesa, ir um fim de semana ao Porto sem gastar muito exige flexibilidade de horários e bom olho. Por exemplo, para o mesmo fim de semana considerado no caso da Ryanair (17 a 18 de fevereiro, ou seja, marcado com um mês de antecedência), as tarifas (na classe mais económica) variam entre os 66,28 euros e os 165,92 euros. Na primeira opção, a chegada à Invicta só acontece ao meio-dia e a partida fica pelas 19h30. Se quiser chegar mais cedo (e regressar à mesma hora), o preço cresce quase 100 euros. E se quiser voltar mais tarde? Se escolher o primeiro voo do dia 17, não conseguirá comprar o último voo do dia 18, porque as tarifas “não são combináveis”. Para poupar dinheiro e ter mais tempo na histórica cidade, pode sempre chegar às 10h00 ao Porto e regressar à capital só na manhã de segunda. Nesse caso, o preço é de 86,42 euros.

Planear uma viagem com apenas dez dias de antecedência é, do mesmo modo, um verdadeiro puzzle. A tarifa mais baixa (55,68 euros) para o fim de semana de 20 a 21 de janeiro dá-lhe pouco mais de 15 horas no destino. Chegar às 08h00 e regressar às 16h30 custa-lhe, por outro lado, 257,08 euros. Como poupar? Regressar na segunda-feira significa uma poupança de quase 100 euros (em relação à tarifa apontada anteriormente).

“A Ponte Aérea Lisboa Porto foi a rota na qual a TAP transportou mais passageiros em 2017, atingindo um total de 726 mil passageiros, mais 8% que em 2016″, revelou ao ECO a companhia portuguesa. O trajeto foi lançado em 2015 e um ano depois (isto é, em 2016) já tinha crescido 80%.

Com 18 voos diários entre Lisboa e Porto — ou seja, voos hora a hora — a TAP tem como perspetivas “a manutenção do volume de oferta e o crescimento na procura”. ” Permite as ligações mais rápidas entre as duas cidades, que ficam a menos de uma hora de voo de distância, e a ligação a toda a rede de destinos TAP”, acrescenta a mesma fonte.

Dado que a venda de bilhetes para os comboios da CP está disponível com 60 dias de antecedência relativamente à data da viagem, todos os dias são colocados à venda novos lugares com preços promocionais.

Ana Portela

Comboios de Portugal

Ir de comboio pode ser um das opções mais dispendiosas… a menos que aproveite os saldos.

Pouco terra, muitos euros?

Até 20 de janeiro, pode marcar uma viagem de comboio ao Porto com partida em Lisboa por apenas dez euros (ida e volta). A campanha promocional da Comboios de Portugal aplica-se a bilhetes em 2ª classe ou classe turística em Alfa Pendular ou Intercidades. A adesão tem sido “massiva”, garantiu a porta-voz da empresa ao ECOtanto que a bilheteira online falhou, no primeiro dia, e a CP acabou por alargar o período de compra até 20 de janeiro, bem como disponibilizar mais 700 bilhetes promocionais. Até esta segunda-feira, 80% dos títulos com preço reduzido já tinham voado das bilheteiras. Por isso, se quiser mesmo ir de comboio à invicta vai ter de abrir os cordões à bolsa.

No mesmo fim de semana em janeiro usado nos exemplos anteriores, a viagem fica-lhe, no total (isto é, ida e volta), a 29 euros. Chega às 14h00 ao Porto e parte para Lisboa pouco antes das 06h00 do dia seguinte. Se, por outro lado, preferir esticar a visita ao máximo, terá de desembolsar 61,60 euros. Nesse caso, viaja em ambas as ocasiões em Alfa Pendular, chegando ao destino às 09h30 e partindo às 20h47.

“Dado que a venda de bilhetes para os comboios da CP está disponível com 60 dias de antecedência relativamente à data da viagem, todos os dias são colocados à venda novos lugares com preços promocionais“, realça a porta-voz da CP. Antecedência é, assim, sinónimo de emagrecimento dos preços das viagens, sendo, no cenário mais barato (para o fim de semana de 03 a 04 de março), possível ir ao Porto por apenas 20,50 euros (ida e volta). Nesse caso, o visitante passa apenas nove horas na cidade. Para alargar a visita ao máximo, terá de investir 49,30 euros, mesmo aproveitando a promoção mencionada pela companhia.

O crescimento do segmento de longo curso (viagens Alfa Pendular e Intercidades para todos os destinos) entre 2013 e 2017 foi da ordem dos 37%“, garante a CP. Em 2017, 6,15 milhões de pessoas (valor estimado pela companhia) escolheram viajar com esta empresa. “A CP manterá a aposta numa dinâmica comercial que dedica atenção especial às necessidades dos seus clientes nos vários segmentos”, promete a Comboios de Portugal.

Vantagens de escolher ir de comboio:

  • Ao contrário do que acontece com a primeira opção, viajar de comboio não implica o mesmo complexo aparato: não há check-in, revista pela segurança ou horas de antecedência passadas no aeroporto. Basta chegar à estação e partir.
  • As duas horas de viagem podem ser aproveitadas para apreciar a bela paisagem portuguesa e relaxar, sem se preocupar com nada.
  • A estação de comboios no destino (Porto-Campanhã) fica bastante perto da estação de metro, o que facilita a circulação na cidade.

Desvantagens:

  • Não pode despachar os maiores volumes de bagagem para o porão. Terá de os içar para a carruagem e lutar por um espaço livre.
  • Terá de planear as suas atividades em torno dos horários disponibilizados pela empresa, ou seja, não tem a liberdade que encontra, por exemplo, ao usar carro próprio.
Ligar as duas cidades de autocarro fica a pouco mais de 34 euros.Pixabay

Vamos de autocarro?

O seu orçamento é curto e quer fazer a ligação entre as duas viagens dentro de poucos dias? O autocarro é uma boa opção. Para viagens marcadas com pouca antecedência, este meio de transporte é um dos mais económicos, já que os preços não variam ao longo do mês nem de acordo com o horário. No total, a deslocação sai-lhe a 34 euros (tanto na data usada como exemplo em janeiro, como num fim de semana de fevereiro). A companhia que faz a ligação Lisboa-Porto é a Rede de Expressos.

Vantagens de escolher o autocarro:

  • A viagem é económica mesmo quando marcada com pouca antecedência, já que os bilhetes não variam consoante o dia.
  • Pode também escolher os horários que lhe apetecer, sem pensar no aumento da tarifa (que não acontece, ao contrário do registado no transporte aéreo).
  • É uma escolha amiga do ambiente. Os transportes coletivos são sempre a opção mais ecológica (ao contrário, por exemplo, do uso do carro próprio).

Desvantagens:

  • Demora mais tempo do que as restantes opções já apresentadas, quase atingindo as três horas e meia (quase o mesmo que se usar o seu carro ou for de boleia).
A vantagem de ir de carro? Pode repartir o custo por quantas pessoas lhe couberem o carro.

312 km ao volante. Está preparado?

A viagem dura quase quatro horas e sai-lhe, no total (ida e volta), entre 36 euros — se for de boleia — e 88,61 euros — caso use o seu próprio carro e não o partilhe. Fora de questão estão os táxis, Uber ou Cabify. Nesses serviços, o trajeto chega a custar-lhe 300 euros por viagem.

Se estiver interessado em fazer a deslocação de automóvel com outros viajantes, pode recorrer a plataformas como a BlaBla Car. Pode ir de boleia ou dar boleia, o que pode até gerar lucro. Se levar quatro ocupantes a 18 euros cada um, recebe 144 euros no trajeto ida e volta. Resultado? Retirados os custos, ganha 55,39 euros.

No primeiro semestre do ano passado, o tráfego médio diário na A1 aumentou 6,3%, o que significa que por dia mais de 30.300 veículos circularam na autoestrada que liga Lisboa ao Porto. Segundo o comunicado à enviado à Comissão do Mercados dos Valores Imobiliários pela Brisa Concessão Rodoviária, 46% da circulação registada nas suas vias acontece exatamente na A1.

Vantagens de escolher o carro:

  • É mais cómodo. O conforto oferecido por um automóvel é superior ao de, por exemplo, um autocarro. Por outro lado, essa comodidade reflete-se na liberdade de simplesmente agarrar no carro e ir, sem horários estipulados, longas horas de espera ou marcações com antecedência significativa.
  • Quando chegar ao destino ficará, automaticamente, com um meio de deslocação na cidade.
  • No caso de usar o seu próprio carro, o custo só é desvantajoso se fizer a viagem sozinho. Imagine que partilha o carro com mais quatro pessoas, a deslocação sai a 17,72 euros (ida e volta) por passageiro. Nenhum outro meio de transporte é tão barato, nesta ligação.

Desvantagens:

  • Quem vai de carro leva mais tempo a fazer este percurso. São quatro horas contra os 60 minutos de avião ou as duas horas do comboio.
  • É cansativo. Conduzir por quatro horas exige alguma atenção e acaba por se tornar exaustivo.
  • Implica considerável nível de poluição. O uso de transportes individuais não é tão ecológico como aquele implicado nos transportes coletivos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carro, avião, comboio ou autocarro. Quanto custa ir de Lisboa ao Porto?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião