António Costa: “Temos interesse em poder acolher mais migrantes”

Numa visita oficial à Eslovénia, o primeiro-ministro destacou a importância em acolher migrantes, para contornar o défice demográfico e aliviar as pressões migratórias em países como a Alemanha.

O primeiro-ministro está esta quarta-feira na Eslovénia, numa visita oficial, que serve também para preparar a próxima presidência portuguesa da União Europeia, em 2021, partilhada em trio com eslovenos e alemães. Durante este encontro, António Costa falou sobre a crise dos refugiados e da importância para o país em receber migrantes, para contornar o défice demográfico e aliviar as pressões migratórias noutros países, nomeadamente no norte da Europa.

António Costa falava esta manhã nos caminhos que têm de ter traçados para o futuro da União Europeia e sobre os temas de maior relevância nesse cenário. A crise dos refugiados foi um dos assuntos mencionados, com o primeiro-ministro a salientar a importância de acolher migrantes, de forma a reduzir esse problema, que apenas poderá ser possível com esforço comum entre os países. “Isso implica um grande esforço para cooperação com África, para o desenvolvimento económico, para a paz, para a criação dos estados de direitos que, sem os quais, a pressão migratória continuará a ser muito forte“, dizia.

Muitos dos refugiados que acolhemos acabaram por optar ir viver em países onde há condições de vida mais favoráveis, ou onde já têm familiares e onde, por isso, julgam ter melhores condições de inserção. Isso é uma boa demonstração de que, se tivermos uma economia mais próspera, partilhada entre todos, a pressão migratória deixa de se concentrar e, mais facilmente, se pode distribuir pelo conjunto dos Estados-membros.

António Costa

Primeiro-ministro

Relativamente ao país, António Costa dizia ser igualmente importante esse acolhimento, também pela facilidade que os portugueses têm em adaptar-se a novas culturas, tradições e religiões. “Portugal, pela sua própria história, habituou-se a ser um país aberto e que percorreu o mundo. E por isso, desde logo do ponto de vista cultural, é-nos relativamente fácil sermos um país que está habituado, há muitos séculos, a conviver com culturas diferentes, tradições diferentes, religiões diferentes“.

No entanto, torna-se necessário criar condições para manter migrantes no país, tendo em conta que isso torna mais fácil “contornar o défice demográfico” e aliviar as pressões migratórias existentes em países como a Alemanha. “Muitos dos refugiados que acolhemos acabaram por optar ir viver em países onde há condições de vida mais favoráveis, ou onde já têm familiares e onde, por isso, julgam ter melhores condições de inserção. Isso é uma boa demonstração de que, se tivermos uma economia mais próspera, partilhada entre todos, a pressão migratória deixa de se concentrar e, mais facilmente, se pode distribuir pelo conjunto dos Estados-membros“, dizia.

“Acho que isso ajudará muito a diminuir as tensões nos países onde há um excesso de pressão, ajudará também os países, como Portugal, onde aliás precisamos também de migrantes para ajudar a contornar o nosso défice demográfico e onde, portanto, temos também interesse em poder acolher mais migrantes”. Estes foram alguns dos pontos mencionados pelo primeiro-ministro, que podem contribuir para um aumento da solidariedade entre os países, originando uma União Europeia “mais forte”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

António Costa: “Temos interesse em poder acolher mais migrantes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião