Projeto da MLGTS e Linklaters vence PFI Award

O projeto internacional Coral LNG, no qual a MLGTS e a Linklaters participaram, venceu o PFI Award da categoria de Oil & Gas – Middle East & Africa.

O projeto internacional Coral LNG, no qual a Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS) venceu o PFI Award da categoria de Oil & Gas – Middle East & Africa.

A MLGTS assessorou o sindicato bancário em parceria com a Allen & Overy e a Linklaters atuou para a Eni e restantes parceiros do consórcio. Os PFI Awards são atribuídos pela editora Thomson Reuters e dedicados exclusivamente a project finance.

A MLGTS assessorou conjuntamente com a Allen & Overy (Reino Unido e Dubai) o sindicato bancário que financiou o projeto. O objetivo, já em fase de concretização, é a construção de uma instalação flutuante de liquefação de gás natural (FLNG) na área 4 (Coral Sul) da bacia do Rovuma. Esta terá grande capacidade de produção e é liderada por um consórcio internacional composto pela ENI (Itália), China National Petroleum Corp, KOGAS (Coreia do Sul), GALP e Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (Moçambique).

A FLNG do Coral é a quinta estação do género no mundo, primeira em África e primeira de sempre em águas profundas. A dimensão e qualidade dos recursos nesta área despertaram a atenção de vários investidores, num projeto orçamentado em mais de 4,6 mil milhões de dólares.

Para este projeto, a MLGTS apresentou uma equipa internacional coordenada pelo sócio Luís Branco, tendo incluído a advogada sénior Cláudia Castanheira dos Santos e o associado principal Elmano Sousa Costa. Nesta equipa participou também a Henriques, Rocha & Associados, membro exclusivo para Moçambique da rede MLGTS Legal Circle, com coordenação da sócia Paula Duarte Rocha.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Projeto da MLGTS e Linklaters vence PFI Award

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião