Por cada três carros novos na estrada, um é usado… importado

As vendas de automóveis cresceram. O aumento foi bastante inferior ao do ano anterior, mas não no caso dos importados. A importação de usados continua a crescer, agravando a saúde do parque automóvel.

Há mais carros novos nas estradas portuguesas. Foram vendidos, no ano passado, mais de 200 mil veículos, um crescimento, sim, mas bem menor do que o registado no ano anterior. Um abrandar, no regresso à normalidade do mercado, que não se vê no caso dos importados. Com os descontos no ISV destes veículos, o peso destes no total das vendas de novos está a acelerar. Por cada três novos há mais um importado usado… com uma idade média de cinco anos.

“Em 2017, o número de matrículas de automóveis importados usados equivalia a 29,8% das vendas de novos, tendo sido matriculados 66.193 veículos usados”, referem os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), divulgados no âmbito do balanço do último ano do mercado automóvel nacional. O mercado dos novos “teve um crescimento de 7,7% face ao ano de 2016. Esta percentagem de crescimento significa que o mercado está a estabilizar para os seus valores normais”, nota, destacando o peso do rent a car (24%) no número final.

“O mercado de importados ganhou uma grande dinâmica nos últimos dois anos com a redução do Imposto Sobre Veículos. Há dois anos, o Governo decidiu atribuir também um desconto para veículos de cinco a dez anos”, salientou Hélder Pedro, secretário-geral da ACAP, acrescentando que a “idade média dos importados é de cinco anos”. Este fenómeno, em conjunto com o do fim do incentivo ao abate de veículos, está a contribuir para aumentar a idade média do parque total.

"O mercado de importados ganhou uma grande dinâmica nos últimos dois anos com a redução do Imposto Sobre Veículos. ”

Hélder Pedro

Secretário-geral da ACAP

O parque circulante em Portugal era, no final do ano passado, de 5,923 milhões de veículos, dos quais 4,7 milhões correspondem a ligeiros de passageiros, sendo que a idade média dos ligeiros de passageiros subiu para 12,5 anos. “Acima dos 10 anos é considerado que o parque está a envelhecer. É preciso medidas para rejuvenescer”, nota Hélder Pedro.

“Fizemos petição para se retomar o incentivo ao abate. O Governo entendeu até à data não o fazer (foi descontinuado em 2011). Os automóveis que são abatidos são cada vez mais velhos”, acrescenta. Em 2017, segundo dados da ACAP, a idade média dos veículos abatidos nos centros para o efeito era de 21,4 anos. Há menos de uma década era de cerca de 15 anos.

Abate? Sim. E mais cheques para elétricos

Os números das vendas de automóveis novos incluem um crescimento expressivo nos veículos com sistemas alternativos de locomoção face aos tradicionais motores de combustão. A ACAP destaca o “crescimento de três dígitos, verificado nos veículos elétricos e híbridos plug-in, que é revelador da crescente procura que existe neste segmento”.

“Só para termos a noção exata, em 2010 venderam-se cinco veículos híbridos plug-in. Em 2017, as vendas foram de 2442 unidades. Nos veículos elétricos, o crescimento foi de 117% em 2017. A crescente eletrificação do parque automóvel é uma realidade incontornável no futuro próximo”, defende a associação, exigindo, por isso, o “fim do limite de mil unidades nos incentivos aos carros elétricos”, bem como “a dedução do IVA das despesas com veículos híbridos a gasolina”.

A ACAP considera que permitir apenas a dedução do IVA nos veículos a gasóleo “limita a atividade das empresas e das empresas de transportes”. Obriga-as, devido à fiscalidade, a continuar a apostar no gasóleo num contexto de mudança do mercado. “Verifica-se uma quebra do peso do diesel nas vendas de veículos novos. Se era de 72% em 2013, caiu para 61% em 2017″, nota.

Luta de Classes. Governo está a negociar

Outra das reivindicações da ACAP prende-se com a forma como os diferentes veículos são taxados nas portagens, com muitos automóveis a passarem a ser considerados Classe 2, com todos os custos que isso acarreta. É, diz Hélder Pedro, “um tema da máxima prioridade”. A associação tem discutido o problema com o Governo, mas cabe agora ao Executivo negociar.

Os critérios de portagem desatualizaram-se face ao mercado. A diretiva europeia da proteção de peões obriga a elevar a altura dos veículos à frente. Isso levou vários automóveis para Classe 2 [já que têm mais de 1,10 metros ao eixo dianteiro]”, conta. Neste sentido, o “Governo criou há dois anos um grupo de trabalho… Reuniram de dezembro de 2016 e julho 17, tendo sido produzido um extenso relatório que foi entregue ao Governo”. Nesse relatório, a ACAP defende que “carros com peso inferior a 2.300 kg devem ser Classe 1”, abandonando-se o critério da altura.

Agora, “o Governo tem de juntar as concessionárias e negociar. Tem contratos longos, longe de terminar. Foram assinados com base nessa classificação [de portagens]”, diz Hélder Pedro. “Está em causa o interesse nacional, por isso, o Governo tem de se sentar com elas [as concessionárias] para negociar a alteração das portagens”, diz, notando que recentemente questionou o Executivo para saber em que ponto estão as negociações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Por cada três carros novos na estrada, um é usado… importado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião