Chumbos nos exames do 9.º ano atingiram 60% das escolas

  • Lusa
  • 3 Fevereiro 2018

67% das escolas públicas não conseguem atingir a positiva nos exames de Português e Matemática do 9.º ano.

Seis em dez escolas tiveram resultados negativos, a maioria concentrada nos 1.003 estabelecimentos de ensino públicos, entre as 1.221 que fizeram exames do 9.º ano no ano passado.

Segundo os dados disponibilizados pelo Ministério da Educação, no portal InfoEscolas, e analisados pela Lusa, 67% das escolas públicas não conseguem atingir a positiva nos exames de Português e Matemática do 9.º ano. Já entre as 218 escolas privadas que fizeram exames do 9.º ano a larga maioria (72%) obteve notas positivas. Ainda assim, os dados gerais, que indicam 60% de negativas, representam uma melhoria em 15 pontos percentuais face ao ano anterior.

Entre as dez escolas com melhor classificação nos exames do 9.º ano do ano passado, todas são privadas, apenas uma tem melhores resultados nas provas do que na classificação interna final, mas a maioria fez menos de cem exames.

O colégio Minerva, no Barreiro, Setúbal, lidera a lista das escolas com melhores resultados nos exames de Português e Matemática do 9.º ano, com 56 provas realizadas e com um resultado de 4,41, acima da nota final interna média de 4,3 dos alunos que foram a exame.

No 9.º ano as notas variam entre os níveis 1 e 5, sendo o nível 3 o primeiro patamar das notas positivas.

Ao colégio Minerva seguem-se na lista o Colégio Horizonte, em Vila Nova de Gaia, e o Colégio Nossa Senhora da Paz, no Porto.

A melhor escola pública aparece já fora do ‘top 30’: a escola secundária Infanta D. Maria, em Coimbra, ocupa a 31.ª posição, com 148 exames realizados e também com notas em exame mais altas do que a classificação interna final (CIF). A escola de Coimbra regista uma média em exame de 4,01 e uma CIF de 3,89.

A segunda melhor escola pública, a Escola Básica dos 1.º, 2.º e 3.º Ciclos com Pré-escolar do Porto da Cruz, em Machico, Madeira, ocupa a 35.ª posição, seguindo-se, em terceiro lugar, a Escola Artística do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga.

Entre as escolas com os resultados mais baixos nos exames de Português e Matemática do 9.º ano estão a Escola Portuguesa da Beira, Moçambique, com uma média de 1,42, a Escola Básica da Apelação, Loures, Lisboa, com uma média de 1,71, e a escola Secundária Matias Aires, Sintra, Lisboa, com um resultado médio de 1,92. Entre as dez escolas com resultados mais baixos apenas a escola da Beira é privada.

Em termos distritais, Coimbra lidera o ‘ranking’ dos melhores resultados em exames, com uma média de 3,18 e uma CIF média de 3,28, com 6.609 exames realizados. Pelo contrário, a região autónoma dos Açores, é a última classificada, com uma média em exames de 2,64 e uma CIF média de 3,15, em 4.379 provas.

Entre os 18 distritos de Portugal continental, as duas regiões autónomas (Madeira e Açores) e as escolas portuguesas no estrangeiro, apenas estas últimas e seis distritos (Coimbra, Viseu, Braga, Aveiro, Viana do Castelo e Guarda) registaram uma média positiva nos exames, mas todas as regiões conseguiram média positiva na CIF.

A variação média dos resultados médios por distrito nos exames é de 0,5, com a média mais alta (Coimbra) a fixar-se nos 3,18 e a mais baixa (Açores) nos 2,64. Já a variação na CIF média é de cerca de 0,2 com o registo mais alto a pertencer a Vila Real, com 3,29 e o registo mais baixo, o de Beja, a fixar-se nos 3,06. Lisboa é o distrito com mais exames realizados (39.968), seguido pelo Porto (35.233) e Braga (16.399).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chumbos nos exames do 9.º ano atingiram 60% das escolas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião