Coligações pré-eleitorais? Partidos devem “caminhar cada um por si”, diz Cristas

  • Lusa
  • 15 Fevereiro 2018

"A melhor forma de contribuirmos ativamente para que haja uma alternativa do centro-direita em Portugal a esta governação das esquerdas unidas é podendo caminhar cada um por si", afirmou Cristas.

A presidente do CDS-PP defendeu que a coligação pré-eleitoral com o PSD nas últimas europeias e legislativas foi excecional, e que os dois partidos devem “caminhar cada um por si”, embora podendo vir a ser “parceiros no futuro”.

“Esse cenário é um cenário que era excecional, tinha uma explicação na altura. Neste momento, não se coloca, e nós entendemos que a melhor forma de contribuirmos ativamente para que haja uma alternativa do centro-direita em Portugal a esta governação das esquerdas unidas é podendo caminhar cada um por si”, afirmou Assunção Cristas.

A líder centrista falava após uma audiência com o Presidente da República para discutir o próximo quadro comunitário e o Orçamento do Estado para 2019, respondendo a uma questão sobre a decisão do CDS-PP concorrer sozinho às eleições europeias de 2019.

“Com certeza que o CDS quererá sempre manter uma boa ligação e uma boa relação com o PSD. Nós somos partidos amigos, partidos parceiros do passado e que espero possamos vir a ser partidos parceiros no futuro”, declarou.

Assunção Cristas estará no domingo no encerramento do Congresso do PSD, que começa na sexta-feira, altura em que, adianta, poderá ficar combinado um futuro encontro com o novo líder social-democrata, Rui Rio. “Estarei no Congresso, no encerramento, e nessa altura teremos certamente oportunidade para conversar e para apalavrar conversas futuras”, afirmou.

Para a presidente do CDS-PP, a decisão de os centristas concorrerem sozinhos às europeias de 2019, opção sobre a qual Assunção Cristas falou na semana passada em Estrasburgo, “é uma questão resolvida pelo CDS há dois anos no Congresso e que de resto será reiterada neste Congresso”.

“Nós queremos ajudar e ser decisivos para que haja uma alternativa política em Portugal ao Governo das esquerdas unidas, que passa por 116 deputados do centro-direita em Portugal”, afirmou.

O CDS-PP reúne-se em Congresso em Lamego no dia 10 e 11 de março.

“As eleições europeias têm o seu espaço próprio, mas são muito importantes também na influência que podem ter nas eleições legislativas. O CDS concorreu junto com o PSD nas últimas europeias porque estávamos juntos no Governo, como de resto veio a acontecer nas legislativas de 2015″, sustentou a líder centrista.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coligações pré-eleitorais? Partidos devem “caminhar cada um por si”, diz Cristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião