Depois da Altice, Nos também é parceira do programa Carnegie Mellon Portugal

  • ECO
  • 19 Fevereiro 2018

Operadora liderada por Miguel Almeida anunciou esta segunda-feira que assinou, através da FCT, um protocolo de investigação com o programa Carnegie Mellon e com o MIT. Cede laboratórios e pessoal.

Paulo Ferrão, presidente da FCT, com Jorge Graça, administrador da Nos.NOS/D.R.

A Nos NOS 3,98% vai ser parceira do programa Carnegie Mellon Portugal, depois de a Altice Portugal também ter anunciado um protocolo semelhante. A operadora liderada por Miguel Almeida anunciou esta segunda-feira que “estabeleceu um protocolo de investigação e desenvolvimento” com o MIT e com a Carnegie Mellon, um acordo que, tal como no caso da dona da Meo, vai ser celebrado através da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

De acordo com uma nota enviada às redações, este acordo entre a Nos com o MIT e com o programa Carnegie Mellon Portugal “tem por objetivos promover o desenvolvimento da capacidade científico-tecnológica e de qualificação pós-graduada nas empresas”. Assim, “a Nos disponibilizará os os seus laboratórios e infraestruturas para trabalhos e projetos relativos ao programa, assim como os recursos humanos necessários para acompanhar e supervisionar esses trabalhos”.

O programa contempla ainda um compromisso da Nos em “reforçar o investimento interno” em investigação e desenvolvimento, bem como em “emprego qualificado até 2030 e a aproximar as suas atividades às instituições nacionais de ensino”. Citado em comunicado, Jorge Graça, administrador da Nos, refere: “A solidez e dinamismo dos programas de instituições reputadas como o MIT e a Carnegie Mellon dispensam apresentações e este acordo sublinha a forma aberta e colaborativa como a Nos encara a inovação tecnológica.”

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Altice, Nos também é parceira do programa Carnegie Mellon Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião