Regulador chinês assume gestão de grupo que queria o Novo Banco

  • Lusa
  • 23 Fevereiro 2018

O regulador chinês de seguros vai assumir a gestão do grupo Anbang, um dos candidatos apontados para a compra do Novo Banco. As acusações a Wu Xiaohui obrigam o regulador a tomar medidas.

O regulador chinês de seguros anunciou esta sexta-feira que vai assumir a gestão do grupo Anbang, que foi apontado como candidato à compra do Novo Banco, depois de o presidente ter sido acusado de crimes económicos.

A Comissão Reguladora de Seguros da China detalhou que vai gerir as operações do grupo durante um ano, com efeito imediato. As alegadas violações da lei e dos regulamentos chineses por Wu Xiaohui colocam em causa a solvência do Anbang Insurance Group Ltd.‘s e obrigam o regulador a tomar medidas, informou a Comissão num comunicado colocado no seu portal eletrónico.

Em junho passado, após ter sido detido por irregularidades financeiras, Wu passou as funções de gestão para outros executivos da empresa. As autoridades não deram, entretanto, mais detalhes sobre as acusações contra Wu ou quais foram as leis ou regulamentos que o grupo infringiu. No comunicado desta sexta-feira, o regulador disse que enviou uma equipa de investigação para a Anbang, visando obter uma melhor compreensão do funcionamento interno da empresa, reforçar a inspeção no local e promover melhorias nas operações.

As operações do Anbang Group são, no geral, consistentes, e o negócio segue estável”, detalhou em comunicado. “Os direitos e interesses legítimos dos detentores de seguros ou acionistas individuais estão a ser protegidos efetivamente”, acrescentou.

As funções de Wu como presidente e diretor-geral serão distribuídas e será constituído um grupo de trabalho, em conjunto com o Banco do Povo Chinês (banco central), a Comissão Reguladora da Banca da China, a Administração Estatal de Divisas Estrangeiras e outros departamentos, que ficarão encarregues da gestão da empresa e de garantir que as operações decorrem normalmente, lê-se na mesma nota. O comunicado afirma que a decisão das autoridades não afetará as responsabilidades da empresa para com os credores.

Criada em 2004, com sede em Pequim, a Anbang tem mais de 30 mil trabalhadores e ativos no valor de 227 mil milhões de euros, segundo o seu site oficial. Em agosto de 2015, não conseguiu chegar a acordo com o Banco de Portugal para a compra do Novo Banco, numa corrida em que participaram também os chineses do Fosun e o fundo de investimento norte-americano Apollo.

Wu, cuja empresa se tornou mundialmente famosa, em 2014, ao comprar o icónico hotel de Nova Iorque Waldorf Astoria, por 1.950 milhões de dólares, é um dos multimilionários mais conhecidos da China. A sua mulher é neta de Deng Xiaoping, o “arquiteto-chefe das reformas económicas” que abriram o país asiático à economia de mercado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Regulador chinês assume gestão de grupo que queria o Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião