Governo propõe recuperar 2 anos e 10 meses de tempo de serviço aos professores. Fenprof diz que proposta é “inaceitável”

Federação Nacional de Professores (Fenprof) considera proposta de Governo de dois anos e 10 meses de serviço dos professores para efeitos de descongelamento das progressões "inaceitável".

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) considera a proposta do Governo de dois anos e 10 meses de tempo de serviço dos professores para efeitos de descongelamento das progressões “inaceitável”, sublinhando que “não é, sequer, um ponto de partida para uma negociação séria”.

A reação surge através da página do Facebook da Fenprof, numa publicação feita na noite desta quarta-feira. “Os professores perderam, só com os congelamentos do tempo de serviço, 9 anos, 4 meses e 2 dias (112 meses); o governo admite recuperar 2 anos e 10 meses (34 meses). Ou seja, a proposta apresentada pelo governo pretende apagar 78 meses de serviço cumprido, isto é, 6 anos e 6 meses de trabalho”, pode ler-se.

A proposta de dois anos e 10 meses como tempo de serviço que o Governo se propõe recuperar para efeitos de progressão na carreira foi apresentada esta quarta-feira aos sindicatos de professores pelas secretarias de Estado da Educação e da Administração e Emprego. Na proposta, o Governo sustentou o período de serviço proposto com a necessidade de garantir a “equidade” entre carreiras e a “sustentabilidade financeira”, escreve o Público [acesso condicionado].

A Fenprof apressou-se a considerar a proposta apresentada inaceitável, sendo que os sindicatos de professores exigem que seja contabilizado todo o tempo de serviço prestado durante o congelamento de carreiras que durou mais de nove anos, em termos acumulados.

A próxima reunião entre Governo e sindicatos ficou marcada para 12 de março.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo propõe recuperar 2 anos e 10 meses de tempo de serviço aos professores. Fenprof diz que proposta é “inaceitável”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião