Dívida pública começa ano a subir. Está em 243,6 mil milhões de euros

Depois de quatro meses a cair no final de 2017, a dívida pública começou 2018 com uma subida de 1.000 milhões de euros para os 243,6 mil milhões de euros, segundo o Banco de Portugal.

Depois de quatro meses a cair no final de 2017, a dívida pública começou 2018 com uma subida de 1.000 milhões de euros. O reembolso de 800 milhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI) não foi suficiente para compensar o acréscimo na emissão de títulos de dívida pública, na ordem dos 2,2 mil milhões de euros. E janeiro terminou com a dívida nos 243,6 mil milhões de euros.

2017 terminou com o endividamento público em queda acentuada face ao máximo atingido em agosto, numa trajetória acompanhada pela aceleração da atividade económica, o que permitiu que o rácio da dívida face à riqueza do país fechasse o ano passado nos 125,6% do Produto Interno Bruto (PIB) na ótica de Maastricht — a que importa para as regras comunitárias e um indicador acompanhado de perto pelos mercados. Tratou-se do nível mais baixo desde 2011, ficando abaixo daquilo que era o objetivo do Governo, confirmou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira.

No entanto, 2018 começa com um agravamento, mostram os dados do Banco de Portugal. Isto depois de em janeiro Portugal ter avançado para uma emissão de obrigações a dez anos com o apoio de um sindicato na qual levantou 4.000 milhões de euros. Adicionalmente, o IGCP levantou 1.750 milhões de euros em bilhetes do Tesouro.

No que toca à evolução da dívida pública líquida de depósitos das administrações públicas, o montante de endividamento de Portugal registou um aumento de 300 milhões de euros, totalizando os 223,3 mil milhões de euros.

Dívida pública sobe 1.000 milhões em janeiro

Fonte: Banco de Portugal

(Notícia atualizada às 11h37)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública começa ano a subir. Está em 243,6 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião