Linklaters com presença no King’s College em Londres

  • ADVOCATUS
  • 2 Março 2018

Vera Eiró, advogada da Linklaters, participa numa conferência do King's College - “Comércio de Compras Públicas" - a decorrer no próximo dia 5 de março, em Londres.

Vera Eiró, advogada da Linklaters e professora universitária, é a única oradora portuguesa no colóquio sobre “Comércio de Compras Públicas”, promovido pelo King’s College e pela George Washington University – Centro de Direito Europeu, escola de Direito Dickson Poon.

O encontro realiza-se no dia 5 de março no King’s College, em Londres, e reúne especialistas em matérias de Direito Público e Administrativo de vários países da Europa e dos Estados Unidos, nomeadamente professores universitários, juízes e advogados. Trata-se de um colóquio onde é abordada a contratação pública de uma perspetiva global estando em debate a questão do papel dos tribunais no desenvolvimento e no bom funcionamento dos diferentes sistemas internacionais de compras públicas, sendo a primeira vez que estes temas são discutidos de uma perspetiva transatlântica.

Doutorada em Direito Público, professora convidada na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa e na Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa, Vera Eiró vai integrar a mesa redonda de discussão sobre os desafios que sentem todos os intervenientes nos sistemas de contratação pública na sua aproximação aos tribunais.

O colóquio será moderado por Chris Yukins (professor da Universidade de George Washington) e Michael Bowsher QC (Professor convidado do King’s College, London) e entre os oradores estão juízes de vários tribunais europeus, nomeadamente do Luxemburgo, Suíça, Roma, Estocolmo, Londres, bem como um do Tribunal de Justiça Federal dos Estados Unidos.

"Este colóquio é uma excelente oportunidade para debater um tema que está na ordem do dia em Portugal e noutros ordenamentos jurídicos da Europa e dos Estados Unidos. O papel dos tribunais, enquanto garantes da transparência e da não-discriminação na forma como os Estados adquirem bens e serviços, é fulcral para o bom funcionamento do sistema de compras públicas e a celeridade com que os tribunais decidem é, também, importante.”

Vera Eiró

Advogada da Linklaters

Para Vera Eiró, “este colóquio é uma excelente oportunidade para debater um tema que está na ordem do dia em Portugal e noutros ordenamentos jurídicos da Europa e dos Estados Unidos. O papel dos tribunais, enquanto garantes da transparência e da não-discriminação na forma como os Estados adquirem bens e serviços, é fulcral para o bom funcionamento do sistema de compras públicas e a celeridade com que os tribunais decidem é, também, importante”, explica a advogada.

Salienta ainda que “ter a oportunidade de partilhar a experiência portuguesa sobre esta matéria, e as dúvidas que também por cá se colocam, é absolutamente fundamental” e que “aprender com a experiência noutros ordenamentos poderá ser também uma oportunidade relevante para melhorar as soluções portuguesas”. “Neste momento em particular, uma altura em que se discute qual será o futuro da jurisdição administrativa em Portugal, é extraordinariamente importante saber e compreender a forma como é que os problemas da celeridade e da efetividade da justiça pré-contratual se resolvem noutros ordenamentos europeus”, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Linklaters com presença no King’s College em Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião