PJ batizou investigação que envolve Benfica de e-toupeira. Confirma suspeitas de corrupção e falsidade informática

Paulo Gonçalves, assessor jurídico do clube da Luz, foi detido por suspeitas de corrupção ativa no caso dos emails. Benfica vai solicitar audiência urgente à Procuradora Geral da República.

O assessor jurídico da SAD do Benfica, Paulo Gonçalves, foi detido esta terça-feira por suspeitas de corrupção ativa. Na base da detenção estão supostos subornos oferecidos a, pelo menos, três funcionários judiciais, para a obtenção de informação nos processos relacionados com o recente “caso dos emails“. No âmbito da operação, batizada pela Polícia Judiciária (PJ) de e-toupeira, foi ainda detido um outro suspeito e constituídos três arguidos.

De acordo com a informação adiantada pela Sábado e pelo Correio da Manhã, Paulo Gonçalves foi detido após uma investigação sobre uma alegada rede montada pelo clube da Luz, desde junho do ano passado, para recolher informações que constavam em determinados processos. De acordo com o CM, a sociedade de advogados Vieira de Almeida terá chegado mesmo a dar formações a funcionários do Benfica para estes saberem como se comportar em caso de buscas à SAD.

Juntamente com o assessor jurídico foi ainda detido um outro suspeito: Júlio Loureiro, técnico de informática do Instituto de Gestão Financeira e Equipamento da Justiça, também já identificado no “caso dos emails” por, supostamente, ter enviado uma notificação do Tribunal de Guimarães para Paulo Gonçalves. No processo estão ainda constituídos arguidos dois oficiais de justiça e Óscar Cruz, um agente de futebol e filho de um ex-dirigente do FC Porto, de acordo com a Sic Notícias.

PJ batiza operação de e-toupeira

A PJ já emitiu um comunicado sobre a operação, “iniciada há quase meio ano”, que batizou de e-toupeira, onde se pode ler: “A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e no âmbito de um inquérito que corre termos no DIAP de Lisboa deteve dois homens pela presumível prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, acesso ilegítimo, violação de segredo de justiça, falsidade informática e favorecimento pessoal“. “Os detidos vão ser sujeitos a primeiro interrogatório judicial”.

De acordo com o Correio da Manhã, o acesso aos processos era alegadamente feito pelos funcionários dos tribunais através do portal CITIUS, onde os suspeitos alegadamente usavam passwords e códigos de acesso de magistrados do Ministério Público para entrarem nos arquivos, atos que foram cometidos centenas de vezes. Em troca, de acordo com o mesmo jornal, alegadamente Paulo Gonçalves oferecia bilhetes para jogos, convites VIP e produtos de merchandising, como camisolas oficiais do clube.

Paulo Gonçalves foi detido esta manhã na sua casa, em Santarém, estando a ser encaminhado para o seu gabinete no Estádio da Luz. Nesta operação, a Polícia Judiciária (PJ) está ainda a realizar buscas em casas particulares, no Benfica e ainda nos tribunais de Guimarães e de Fafe, onde um dos suspeitos trabalha, estando envolvidos mais de 40 inspetores. Segundo o site da Procuradoria Geral Distrital de Lisboa (PGDL), “foram cumpridos seis mandados de buscas domiciliárias, um mandado de busca a gabinete de advogado e 21 mandados de buscas não domiciliárias“. “Nas buscas estiveram presentes um juiz de instrução criminal, dois procuradores-adjuntos, inspetores da PJ e peritos informáticos”.

Benfica já reagiu. Vai solicitar audiência “com caráter de urgência” à PGR

Num comunicado publicado na página oficial do clube, o Benfica confirmou a realização de buscas às suas instalações, sublinhando a “total disponibilidade em colaborar com as autoridades no integral apuramento da verdade”. O clube mostrou-se confiante na defesa de Paulo Gonçalves: “A Sport Lisboa e Benfica SAD manifesta a sua confiança e convicção de que o Dr. Paulo Gonçalves terá oportunidade, no âmbito do processo judicial, de provar a legalidade dos seus procedimentos“.

Na mesma publicação, os encarnados adiantam ainda que vão solicitar “com caráter de urgência uma audiência à senhora Procuradora-Geral da República, pelas reiteradas e constantes violações do segredo de Justiça, sobre os processos que envolvem o clube, numa estratégia intencional e com procedimentos fáceis de serem investigados, como hoje foi claramente comprovado”.

FC Porto já reagiu

A primeira reação pública vem do clube rival. O diretor de informação e comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, responsável pela divulgação dos emails do Benfica, já partilhou a sua opinião nas redes sociais: “A revolução começou há uns meses. Sem medo, pela verdade”.

Paulo Gonçalves foi constituído arguido no caso dos emails a 19 de outubro, na sequência de buscas da Policia Judiciária ao clube. Desde maio que o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, tem acusado o Benfica de influenciar o setor da arbitragem e apresentou alegadas mensagens de correio eletrónico de responsáveis ‘encarnados’, nomeadamente de Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

PJ batizou investigação que envolve Benfica de e-toupeira. Confirma suspeitas de corrupção e falsidade informática

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião