Ranking dos multimilionários. Também aqui, #mulhernãoentra

Entre 2.208 multimilionários no mundo, só há 256 mulheres. Só dez estão entre os 100 mais ricos. E muitas são multimilionárias por herança.

Alice Walton é a mulher mais rica do mundo.Walmart

Recebem menos do que os colegas homens que desempenham trabalho igual, ocupam menos cargos de liderança nas empresas, a sua representatividade na política não corresponde à realidade social, a sua presença no espaço de debate e opinião fica aquém da paridade, estão mais sujeitas ao risco de pobreza ou exclusão social e são mais afetadas pelas crises internacionais. A lista da desigualdade de género pode continuar e até as mais ricas do mundo têm razão de queixa. No ranking dos multimilionários da Forbes, as mulheres só representam 11% da lista.

A mais recente lista dos multimilionários, divulgada pela revista norte-americana, mostra que, este ano, há 2.208 multimilionários em todo o mundo, um número recorde que representa um aumento de 8%. O número de mulheres na lista até aumentou este ano, mas a sua representatividade ficou praticamente igual: o ranking só conta com 256 mulheres, o equivalente a 11,6% do total, quando, no ano passado, eram 227 mulheres (o que representava 11,1% do total).

A mulher mais rica do mundo é Alice Walton, na 16.ª posição. É filha de Sam Walton, fundador da cadeia de retalho norte-americana Walmart, e trabalha como curadora de arte, ao contrário dos seus irmãos, que trabalham no negócio da família. Fundou um museu, o Crystal Bridges Museum of American Art, no Arkansas. A sua fortuna está avaliada em 46 mil milhões de dólares (cerca de 37 mil milhões de euros).

Esta é, aliás, uma característica comum a muitas das mulheres da lista: são ricas por herança. É também o caso da segunda e da terceira mulheres mais ricas do mundo, respetivamente Françoise Bettencourt Meyers, neta do fundador da L’Oreal e herdeira da empresa de cosmética depois da morte da sua mãe no ano passado, e Susanne Klatten, filha de Herbert Quandt, o industrial alemão que ficou conhecido por salvar a BMW da falência, na década de 60.

Esta é uma tendência que se regista, pelo menos, entre todas as dez mais ricas do mundo. Entre as 256, a Forbes contabiliza apenas 72 mulheres que se tornaram multimilionárias à conta do seu trabalho (as chamadas self-made billionaires), e não por herança. A nível global, 67% dos mais de dois mil multimilionários em todo o mundo são considerados “self-made“.

Por outro lado, das 256 mulheres que entram no ranking, só dez estão entre os 100 primeiros nomes a nível global.

As dez mulheres mais ricas do mundo

As dez mulheres mais ricas do mundo.Forbes

Entre as mulheres mais ricas conta-se também uma portuguesa, que é, aliás, a única representante de Portugal no ranking dos multimilionários. É Maria Fernanda Amorim, viúva de Américo Amorim, que ocupa a posição 382, com uma fortuna avaliada em 5,1 mil milhões de dólares (4,1 mil milhões de euros).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ranking dos multimilionários. Também aqui, #mulhernãoentra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião