Advogados da PLMJ lecionam em pós-graduação da FDUL

  • ADVOCATUS
  • 9 Março 2018

Advogados da PLMJ lecionam no II Curso de Pós-Graduação sobre Law Enforcement, Compliance e Direito Penal. A iniciativa é do Instituto de Direito Penal e Ciências Criminais da FDUL.

A PLMJ terá três advogados a lecionar no II Curso de Pós-Graduação sobre Law Enforcement, Compliance e Direito Penal, uma iniciativa do Instituto de Direito Penal e Ciências Criminais da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (IDPCC-FDUL), com data de início marcada para dia 22 de março.

Rui Soares Pereira, consultor de PLMJ Arbitragem e Contencioso e professor auxiliar na FDUL, é membro da Comissão Organizadora (CO). No dia 22 de março, vai participar numa mesa redonda com os restantes membros da CO. Já a 21 de abril, abordará o tema “Levantamento da personalidade coletiva e problemas de imputação” e, por fim, no dia 26 de maio, falará sobre o tema das “Investigações internas: ponderações e limites”.

Alexandra Mota Gomes, associada coordenadora de PLMJ Contencioso Penal, Contraordenacional e Compliance, integra o painel da 14ª sessão, onde se discutirão os tópicos “Programas de cumprimento (compliance programs), códigos de conduta e regulamentos internos” e “Elaboração, certificação e monitorização de programas de conformidade da empresa”.

Por fim, Daniel Reis, sócio coordenador de PLMJ TMT, integra a 15ª sessão e terá pela frente o tema “Como fazer um programa de compliance”.

De acordo com a organização, o curso tem por objetivo “aprofundar o conhecimento sobre os conceitos e categorias da responsabilidade criminal à luz dos problemas colocados pelas novas perspetivas da sociedade contemporânea como sociedade do risco”, bem como, “aprofundar o estudo das alternativas ao Direito Penal, nomeadamente a regulação e Law Enforcement, Compliance e Direito das Contraordenações”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogados da PLMJ lecionam em pós-graduação da FDUL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião