Carros e brinquedos foram os produtos mais perigosos de 2017

  • Juliana Nogueira Santos e Lusa
  • 12 Março 2018

A Comissão Europeia emitiu mais de dois mil alertas globais para produtos perigosos, principalmente em relação a brinquedos e veículos a motor.

A Comissão Europeia deixou um alerta sobre o perigo dos populares fidget spinners.Charles Deluvio/Unsplash

Os brinquedos e os automóveis foram os produtos com o maior número de notificações no sistema de alerta rápido para os produtos perigosos (RAPEX) no ano passado, segundo um relatório divulgado pela Comissão Europeia.

Segundo este documento, o RAPEX emitiu 2.201 notificações globais em 2017, seguindo uma tendência de estabilização desde 2010. Assim, foram os brinquedos a concentrar 29% dos alertas, seguindo-se os veículos a motor, com 20% dos alertas e o vestuário, têxteis e artigos de moda, com 12% das notificações.

O alerta especial da Comissão Europeia é em relação aos fidget spinners, os populares brinquedos que andaram nas mãos da maioria das crianças no último ano. Bruxelas alerta para “alguns exemplares” que contêm pequenas pilhas que, ao serem engolidas, podem causar queimaduras no esófago e intestinos. Para resolver tal problema, o sistema de alerta identificou os modelos perigosos que foram “localizados, parados nas alfândegas e portos, ou até destruídos”.

Em relação aos riscos mais recorrentes causados pelos produtos perigosos, o mais comum, com 28% de ocorrência, é o de lesões, seguindo-se o risco químico (22%) e o de asfixia (17%). Contabilizaram-se ainda 10% de notificações devido ao perigo de choque elétrico e 6% por perigo de fogo.

A Alemanha foi o país que mais notificou produtos não alimentares perigosos (354 alertas ou 16% do total), seguindo-se a Espanha (222 ou 10%) e França (191 ou 9%). Já em Portugal, houve no ano passado 40 notificações, a maioria das quais respeitantes a veículos motorizados (70%), seguindo-se os brinquedos (15%) e os cosméticos (10%).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carros e brinquedos foram os produtos mais perigosos de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião