Carros e brinquedos foram os produtos mais perigosos de 2017

  • Juliana Nogueira Santos e Lusa
  • 12 Março 2018

A Comissão Europeia emitiu mais de dois mil alertas globais para produtos perigosos, principalmente em relação a brinquedos e veículos a motor.

A Comissão Europeia deixou um alerta sobre o perigo dos populares fidget spinners.Charles Deluvio/Unsplash

Os brinquedos e os automóveis foram os produtos com o maior número de notificações no sistema de alerta rápido para os produtos perigosos (RAPEX) no ano passado, segundo um relatório divulgado pela Comissão Europeia.

Segundo este documento, o RAPEX emitiu 2.201 notificações globais em 2017, seguindo uma tendência de estabilização desde 2010. Assim, foram os brinquedos a concentrar 29% dos alertas, seguindo-se os veículos a motor, com 20% dos alertas e o vestuário, têxteis e artigos de moda, com 12% das notificações.

O alerta especial da Comissão Europeia é em relação aos fidget spinners, os populares brinquedos que andaram nas mãos da maioria das crianças no último ano. Bruxelas alerta para “alguns exemplares” que contêm pequenas pilhas que, ao serem engolidas, podem causar queimaduras no esófago e intestinos. Para resolver tal problema, o sistema de alerta identificou os modelos perigosos que foram “localizados, parados nas alfândegas e portos, ou até destruídos”.

Em relação aos riscos mais recorrentes causados pelos produtos perigosos, o mais comum, com 28% de ocorrência, é o de lesões, seguindo-se o risco químico (22%) e o de asfixia (17%). Contabilizaram-se ainda 10% de notificações devido ao perigo de choque elétrico e 6% por perigo de fogo.

A Alemanha foi o país que mais notificou produtos não alimentares perigosos (354 alertas ou 16% do total), seguindo-se a Espanha (222 ou 10%) e França (191 ou 9%). Já em Portugal, houve no ano passado 40 notificações, a maioria das quais respeitantes a veículos motorizados (70%), seguindo-se os brinquedos (15%) e os cosméticos (10%).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carros e brinquedos foram os produtos mais perigosos de 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião