Ministros das Finanças europeus dão luz verde a reporte de esquemas de planeamento fiscal agressivo

Na União Europeia vai ser obrigatório que os intermediários fiscais façam o reporte de esquemas de planeamento fiscal agressivo. A ideia é que as autoridades tributárias joguem por antecipação.

Os ministros das Finanças europeus aprovaram unanimemente esta terça-feira uma proposta que obriga os intermediários fiscais — tais como advogados, consultores ou contabilistas — a reportar esquemas de planeamento fiscal “potencialmente agressivo”. A medida já tinha sido aprovada no Parlamento Europeu no início deste mês. Os Estados-membros terão até 31 de dezembro deste ano para transpor a diretiva na lei nacional.

É mais um passo na luta contra a evasão e a fraude fiscal dentro da União Europeia. A medida aprovada no Ecofin (Conselho Europeu que junta os ministros das Finanças dos 28 Estados-membros) visa aumentar a transparência e resolver os esquemas transfronteiriços de planeamento fiscal agressivo. “Hoje os países da União Europeia chegaram a acordo para responsabilizar os intermediários que criam e vendem esquemas de evasão fiscal“, afirmou Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia.

Os intermediários fiscais que atuem dentro da União Europeia terão de começar a respeitar esta diretiva a partir de 1 de julho de 2020. A partir dessa altura, os Estados-membros serão obrigados a trocar informação de três em três meses. A primeira troca automática de informação terá de acontecer a 31 de outubro de 2020 através de uma base de dados centralizada criada pelas instituições europeias.

“Esta medida irá permitir que se identifiquem novos riscos de evasão fiscal e que sejam tomadas medidas para bloquear os arranjos prejudiciais” para a coleta de receita fiscal dos Estados-membros, explica o comunicado do Ecofin enviado às redações esta terça-feira. “Se as autoridades receberam a informação sobre os esquemas de planeamento fiscal agressivo antes de estes serem implementados, os Estados-membros poderão fechar as brechas [existentes na lei ou regulação] antes de perder a receita“, argumenta Vladislav Goranov, ministro das Finanças da Bulgária, país que preside ao Conselho Europeu neste semestre.

Se as autoridades receberam a informação sobre os esquemas de planeamento fiscal agressivo antes de estes serem implementados, os Estados-membros poderão fechar as brechas [existentes na lei ou regulação] antes de perder a receita.

Vladislav Goranov

Ministro das Finanças da Bulgária

A diretiva estabelece os critérios através dos quais os intermediários têm de avaliar que tipo de esquemas é que têm de ser reportados às autoridades fiscais nacionais. “A necessidade de reportar um esquema não implica que este seja prejudicial, mas que seja do interesse das autoridades fiscais para proceder a um maior escrutínio“, refere o mesmo comunicado. A proposta prevê ainda que sejam aplicadas sanções aos intermediários que não cumpram as exigências de transparência, cujo desenho é definido pelos Estados-membros.

Em Portugal estas regras já existem, mas como noticiou o Jornal de Negócios (acesso pago), citando dados do Ministério das Finanças, a aplicação da lei não tem produzido resultados significativos. Entre 2011 e 2016, apenas seis esquemas foram reportados ao fisco. Depois da adesão nos anos que seguiram a implementação da lei, os intermediários fiscais deixaram de cumprir e não se sabe se há multas aplicadas.

O jornalista viajou a convite da Comissão Europeia – Direção Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros (ECFIN).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministros das Finanças europeus dão luz verde a reporte de esquemas de planeamento fiscal agressivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião