Gestoras de fundos temem “vazio” nos PPR como produto complexo

  • Lusa
  • 14 Março 2018

A APFIPP alertou para a eventual classificação, à luz da revisão da diretiva europeia para os mercados financeiros dos fundos PPR como produtos financeiros complexos.

A Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP) alertou esta quarta-feira para a eventual classificação, à luz da revisão da diretiva europeia para os mercados financeiros (DMIF II), dos PPR FIM como produtos financeiros complexos.

“Como [os PPR – Planos de Poupança Reforma] não estão enquadrados no conceito de produto harmonizado europeu, é então um produto complexo e são-lhe exigidos requisitos desproporcionados”, afirmou José Veiga Sarmento, presidente da APFIPP, esta quarta-feira ouvido pelos deputados do grupo de trabalho da Supervisão Bancária.

Este responsável realçou as “eventuais repercussões” e “divergências de tratamento” que a transposição da diretiva vai introduzir na classificação dos PPR FIM (PPR com rendimentos de Fundos de Investimento Mobiliários).

José Veiga Sarmento mostrou também preocupação acerca de articulação da entrada em vigor das alterações ao Regime Geral dos Organismos de Investimento Colectivo (RGOIC) com as que resultam do diploma de transposição da diretiva europeia para os mercados financeiros, a DMIF II, em fase de proposta legislativa.

“Preocupa-me esta passagem para que não haja um vazio”, afirmou o presidente da APFIPP aos deputados, salientando que a proposta legislativa do Governo, de transposição da DMIF II, “não é o modelo mais eficiente” e até, em alguns casos, “acrescenta confusão à confusão já existente”.

A diretiva europeia DMIF II introduz alterações à venda de produtos financeiros, tentando precaver nomeadamente problemas na perceção pelos clientes das condições de subscrição dos produtos e que nos últimos anos, em Portugal, têm sido motivo de manifestações de investidores lesados.

A transposição da DMIF II, que está atrasada porque devia ter entrado em vigor em 3 de janeiro, já foi objeto de uma proposta do Governo, e vai ser discutida pelo parlamento.

Consideram-se Organismos de Investimento Colectivo (OIC) as instituições que têm como fim o investimento coletivo de capitais obtidos junto do público, e cujo funcionamento se encontra sujeito a um princípio de divisão de riscos, como Fundos de Investimento Mobiliários.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gestoras de fundos temem “vazio” nos PPR como produto complexo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião