Hoje nas notícias: funcionários públicos, Feliciano Barreiras Duarte e seca

  • ECO
  • 19 Março 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que marcam o dia.

Na ressaca da demissão de Feliciano Barreiras do cargo de secretário-geral do PSD, a TSF publica, esta manhã, uma entrevista ao social-democrata. Destaque também pela entrevista do Diário de Notícias ao ministro do Ambiente, José Matos Fernandes, que garante que a situação de seca já não preocupa que este vai ser “um ano normal”. A manhã fica também marcada pela notícia do Público de que o Governo exclui qualquer hipótese de aumentos salariais para os funcionários públicos em 2019.

Governo exclui aumentos à Função Pública em 2019

O Governo exclui qualquer hipótese de aumentos salariais para os funcionários públicos em 2019. A garantia é dada ao Público por um membro do Executivo de António Costa, que explica que o próximo Orçamento do Estado continuará a ser de contenção e que “Não haverá mais dinheiro” para aumentar salários. Isto apesar de o PCP e Bloco de Esquerda, que asseguram a maioria parlamentar do Governo, já terem exigido aumentos para os funcionários públicos. Seja como for, no próximo ano, a função pública só irá beneficiar da “concretização da fase seguinte do descongelamento das carreiras”. Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Situação de seca já não preocupa

O Governo mantém o plano de poupança de água, mas a situação de seca já não preocupa. Em entrevista, o ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes, garante que, depois das últimas chuvas, este será um ano normal. “A norte do Tejo não há nenhum problema neste momento. Devemos continuar a poupar água mas não há nada que preocupe, vai ser um ano normal. A sul do Tejo, particularmente no Sado, ainda existem albufeiras onde temos menos água do que aquela que gostaríamos de ter e que é normal ter nesta época do ano”, refere. Leia a entrevista completa no Diário de Notícias.

Turismo no Norte bate recordes na Páscoa

O Turismo no Norte vai voltar a bater recordes nesta época da Páscoa, que se celebra na próxima semana. Os estabelecimentos hoteleiros da região deverão atingir uma taxa de ocupação na ordem dos 80%, um número que fica acima dos 70% previstos para o Algarve, tradicionalmente o destino mais procurado para esta época, e a Serra da Estrela, por exemplo. “Considerando que este tipo de visitante não reserva com muita antecedência o seu alojamento, podemos pensar que a ocupação poderá ultrapassar os 90%”, antecipa a Associação de Turismo do Porto e Norte. Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Polémica foi “um ataque”, diz Barreiras Duarte

Feliciano Barreiras Duarte abandonou o cargo de secretário-geral do PSD, apenas um mês depois de ter sido eleito. O social-democrata diz que toda a polémica à volta do seu currículo foi “um ataque”, não só a si próprio, “mas a Rui Rio”. Estes ataques, garante, têm origem interna, de fações rivais do PSD. E antecipa que os ataques a Rio deverão continuar: “Existem já outras situações de que se fala sobre membros da atual direção social-democrata”. Oiça a entrevista completa na TSF.

CEiiA vai construir avião da chinesa Guanyi

O Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA) vai entrar no mercado asiático. O centro, baseado em Matosinhos, ganhou um contrato para a conceção e desenvolvimento de alguns dos módulos principais (incluindo asas, fuselagem central e estabilizador horizontal) do GA20, o primeiro avião do construtor privado chinês Guanyi Aviation. A construção do avião vai dar emprego a 20 engenheiros, que serão alocados a este projeto durante os próximos dois anos. O CEiiA antecipa uma faturação de dois milhões de euros com este projeto. Leia a notícia no Jornal de Negócios (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: funcionários públicos, Feliciano Barreiras Duarte e seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião