Autores lusófonos da Fundação PLMJ em exposição em Luanda

A exposição "Autores Lusófonos na Coleção da Fundação PLMJ - Vol. II" decorre dia 27 de março em Luanda, onde também será promovida uma conferência subordinada ao tema “Património Cultural Angolano”.

É inaugurada no próximo dia 27 de março, pelas 18h30, a exposição coletiva e itinerante de Artes Plásticas “Autores Lusófonos na Coleção da Fundação PLMJ – Vol. II”. Com curadoria de João Silvério, estará patente em Luanda até 24 de abril, nas instalações do Camões/Centro Cultural Português.

"A mostra enquadrou uma apresentação de obras de artistas representantes de uma geração pós-colonial que construiu a sua obra sob o signo da libertação e das transformações sofridas pelas novas sociedades independentes, enquanto novas nações, perante o desafio da liberdade e da democracia, num contexto mundial em que a globalização se concretizava atingindo todos os extratos da sociedade, todas as classes sociais e as mais diversas áreas económicas.”

João Silvério

Curador da exposição

Segundo João Silvério, curador da exposição, “a mostra enquadrou uma apresentação de obras de artistas representantes de uma geração pós-colonial que construiu a sua obra sob o signo da libertação e das transformações sofridas pelas novas sociedades independentes, enquanto novas nações, perante o desafio da liberdade e da democracia, num contexto mundial em que a globalização se concretizava atingindo todos os extratos da sociedade, todas as classes sociais e as mais diversas áreas económicas”.

Este é o segundo passo de um programa iniciado em 2016, na cidade de Maputo, por ocasião do 11º Encontro de Fundações da CPLP, onde foi apresentada uma exposição coletiva que reuniu trabalhos de artistas oriundos dos países que integram a Comunidade de Língua Portuguesa, com particular incidência naqueles que têm uma estreita ligação ao país de acolhimento da mostra.

A exposição “Autores Lusófonos na Coleção da Fundação PLMJ – Vol. II” reúne trabalhos de 16 artistas, na maioria com reconhecimento internacional do seu trabalho:

  • Abraão Vicente;
  • Délio Jasse;
  • Francisco Vidal;
  • Ihosvanny;
  • Inez Teixeira;
  • Jorge Días;
  • Kiluanji Kia Henda;
  • Lino Damião;
  • Mauro Pinto;
  • Nú Barreto;
  • Paulo Jazz;
  • Paulo Kapela;
  • Paulo Kussi;
  • René Tavares;
  • Rita GT;
  • Rosana Ricalde;
  • Yonamine.

Ainda no âmbito desta exposição, a Fundação PLMJ vai promover, no dia 28 de março, em parceria com o Camões/Centro Cultural Português, uma conferência, subordinada ao tema “Património Cultural Angolano”. Vão participar nesta conferência figuras angolanas e portuguesas de destaque, como Teresa Mateus, diretora do Camões/Centro Cultural em Luanda, Emanuel Caboco, diretor geral adjunto do Instituto Nacional do Património Cultural, Afonso Valentim, coordenador da Sub-Comissão da Cultura da Comissão Nacional da UNESCO, para além de Patrícia Dias Mendes, diretora da Fundação PLMJ, Bruno Xavier de Pina e Francisco Neves, sócio e associado sénior da PLMJ, respetivamente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autores lusófonos da Fundação PLMJ em exposição em Luanda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião