Abreu e PLMJ na transação de três centros comerciais

A Abreu Advogados e a PLMJ assessoram transação de três centros comerciais em Portugal: o Forum Montijo, o Forum Sintra e o Sintra Retail Park, num investimento da Immocham de cerca de 411 milhões.

A Immochan concluiu um investimento de 411 milhões de euros na aquisição dos centros comerciais Forum Montijo, Forum Sintra e Sintra Retail Park, com o apoio jurídico da Abreu Advogados, numa das maiores operações financeiras no setor em Portugal nos últimos anos.

Com estes três novos ativos, a Immochan Portugal impulsiona o seu crescimento e ascende ao segundo lugar no ranking nacional das empresas proprietárias e gestoras de centros comerciais de média e grande dimensão.

A equipa da Abreu Advogados, liderada pelos sócios Patrícia Viana e António Pina, envolveu uma extensa equipa de advogados de diferentes áreas de prática, de modo a considerar os diversos aspetos que envolvem uma transação desta dimensão. Os serviços prestados incluíram a due diligence legal aos ativos, apoio na negociação do contrato de compra e venda, notificação à Autoridade da Concorrência e conclusão da transação.

"Esta transação foi fechada no início do mês de março e é já uma das maiores no mercado de retalho português. Para além do acompanhamento das várias etapas configuradas na realidade nacional implicou ainda um alinhamento entre diferentes jurisdições, com países como Reino Unido, Luxemburgo e Holanda.”

Patrícia Viana

Sócia responsável de direito imobiliário da Abreu Advogados

“Esta transação foi fechada no início do mês de março e é já uma das maiores no mercado de retalho português. Para além do acompanhamento das várias etapas configuradas na realidade nacional implicou ainda um alinhamento entre diferentes jurisdições, com países como Reino Unido, Luxemburgo e Holanda” refere Patrícia Viana, sócia responsável pela área de direito imobiliário da Abreu Advogados.

O vendedor – fundos de investimento geridos pela Blackstone – contou com a assessoria de uma equipa multidisciplinar da PLMJ liderada pela sócia Sofia Gomes da Costa e pelo associado sénior Eduardo Sáragga Leal, ambos da equipa de projetos internacionais da PLMJ. A referida equipa da PLMJ esteve envolvida em todo o processo de venda que incluiu, entre outros aspetos, uma vendors due diligence, a organização de um processo competitivo de venda, a negociação com potenciais compradores, alterações à estrutura do grupo de sociedades que detinha os centros comerciais, a liquidação dos financiamentos concedidos ao referido grupo de sociedades e correspondente libertação de ativos dados em garantia aos bancos financiadores, negociação do contrato de compra e venda e todos os múltiplos aspetos jurídicos envolvidos na transação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abreu e PLMJ na transação de três centros comerciais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião