Contas da Mutualista Montepio aprovadas por “larga maioria”

  • Lusa
  • 29 Março 2018

As contas da Mutualista foram "aprovadas por larga maioria com cerca de 440 votos a favor e 20 votos contra”, disse Tomás Correia.

As contas individuais da Associação Mutualista Montepio, referentes ao exercício de 2017, foram aprovadas na noite de quarta-feira por maioria, segundo indicou o presidente da instituição.

“Foram aprovadas por larga maioria com cerca de 440 votos a favor e 20 votos contra”, disse Tomás Correia, que falava aos jornalistas no final da assembleia geral dos associados da Associação Mutualista, que decorreu em Lisboa. Conforme indicou o responsável, a reunião decorreu de forma “tranquila”, apesar de notar a existência de vozes “discordantes”. “Foi uma reunião muito tranquila, obviamente que há sempre vozes discordantes, mas o que é importante é que no final há solidariedade nas decisões da maioria”, vincou.

Em causa estavam, nomeadamente, as contas individuais da Associação Mutualista referentes a 2017, em que apresentou lucros de 587,5 milhões de euros, bem acima dos 7,4 milhões de euros de 2016. Já os capitais próprios ficaram no ano passado positivos em 510 milhões de euros, a contrastar com os 251 milhões de euros negativos de 2016.

Para estes resultados contribuíram créditos fiscais de 808,6 milhões de euros, de que a Mutualista passou a beneficiar por em 2017 ter passado a pagar IRC (o imposto aplicado sobre os lucros das empresas). A existência destes créditos fiscais provocaram polémica nas últimas semanas, com críticas de vários partidos.

Já sobre a entrada da Santa Casa da Misericórdia para a Caixa Económica, Tomás Correia referiu que “será um grande parceiro”, porém, garantiu que a decisão final cabe à entidade e não ao Montepio. “O Conselho geral da associação mutualista deliberou, há cerca de 15 dias, que poderíamos ceder até 2% do capital da caixa económica a instituições da economia social. Nós consideramos que a Santa Casa é também da economia social e será, com certeza, um grande parceiro. [No entanto], a decisão será da Santa Casa e não nossa”, explicou.

A assembleia-geral da Associação Mutualista contou com cerca de 500 associados, do universo de mais de 600 mil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contas da Mutualista Montepio aprovadas por “larga maioria”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião