Cambridge Analytica pode ter recolhido dados de 63.000 portugueses no Facebook

  • ECO e Lusa
  • 5 Abril 2018

Entre os 87 milhões de utilizadores do Facebook que viram os dados pessoais serem usados indevidamente pela Cambridge Analytica estarão mais de 63.000 portugueses.

Os dados de mais de 60.000 utilizadores portugueses do Facebook poderão ter sido comprometidos no âmbito da recolha e uso indevido de dados por parte da empresa norte-americana Cambridge Analytica. Esta é a estimativa da rede social, tendo em conta que pelo menos 15 portugueses terão usado a aplicação que foi utilizada para recolher as informações destas pessoas e do círculo de amigos mais próximo destas, naquela plataforma.

A notícia foi avançada esta quinta-feira pelo Expresso, que indica que 63.080 portugueses poderão ter sido apanhados nesta polémica. Isto numa altura em que o número total de utilizadores potencialmente afetados foi revisto de 50 milhões para 87 milhões. Acredita-se que os dados tenham sido recolhidos sob o pretexto de virem a ser usados para fins académicos, mas que foram depois, alegadamente, usados pela Cambridge Analytica para favorecer a campanha eleitoral de Donald Trump na corrida à Casa Branca.

O número de utilizadores potencialmente afetados resulta de “metodologia expansiva” que inclui os que descarregaram a app “thisisyourdigitallife” e respetivos “amigos” no Facebook. Ou seja, a esmagadora maioria dos mais de 60.000 utilizadores potencialmente afetados não só não interferiram no processo de recolha de dados como nem tiveram conhecimento dele.

“Realizamos a nossa própria análise interna para determinar o número de pessoas potencialmente visadas. Utilizamos uma metodologia expansiva — esta é a nossa melhor estimativa do número de pessoas que instalaram a app, bem como dos seus amigos cujos dados podem ter sido acedidos”, explicou fonte oficial do Facebook.

A rede social Facebook tem estado no centro de uma vasta polémica internacional com a empresa Cambridge Analytica, acusada de ter usado dados de milhões de utilizadores da rede social, sem o seu consentimento, para elaborar um programa informático destinado a influenciar o voto dos eleitores, favorecendo a campanha de Donald Trump.

(Notícia atualizada às 12h55 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cambridge Analytica pode ter recolhido dados de 63.000 portugueses no Facebook

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião