Moedas apoia mais quatro PME portuguesas

  • ECO
  • 5 Abril 2018

Num espaço de quatro anos, esta Fase do Instrumento PME já financiou 79 PME portuguesas inovadoras, num total de 9,85 milhões de euros.

O Horizonte 2020 aprovou esta quinta-feira o apoio a mais quatro PME portuguesas. Em causa estão 50 mil euros que a Glarevision, Biomode, Vieira & Lopes e SEA4US vão poder usar na preparação de uma prova de conceito e um estudo de viabilidade.

“Num espaço de quatro anos, esta Fase do Instrumento PME já financiou 79 PME portuguesas inovadoras, num total de 9,85 milhões de euros“, explicou o comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, quando divulgou a lista de beneficiários. “É fundamental que estes resultados positivos levem outras PME portuguesas a arriscarem e concorrerem a este instrumento”, frisou Carlos Moedas no comunicado enviado às redações.

O programa de investigação europeu concedeu hoje mais 12,65 milhões de euros a 257 pequenas e médias empresas de 31 países, que além do estudo de viabilidade também vão ter acesso a três dias formação empresarial (‘coaching’) e serviços gratuitos de aceleração empresarial. “Com o apoio do Horizonte 2020, a UE ajuda as PME inovadoras, que criam novos postos de trabalho, aproveitando a boa formação dos trabalhadores portugueses para trazer mais investimento e maior crescimento económico ao país”, sublinhou Moedas no mesmo discurso.

Num comunicado enviado às redações, a Comissão Europeia faz uma breve descrição das empresas portuguesas escolhidas:

  • Glarevision, de Atouguia, que desenvolveu uma ferramenta para a indústria para promover uma nova forma de interação e comunicação, combinando a Internet das Coisas com a realidade aumentada.
  • Biomode, de Braga, com produtos para identificação de agentes patogénicos, úteis nas áreas da segurança alimentar e ambiental e em aplicações clínicas.
Almoço da equipa da Biomode.D.R.
  • Vieira & Lopes, de Braga, que vai ser apoiada para desenvolver um módulo de purificação de ar multifuncional, adequado a ambientes sensíveis.
  • E a SEA4US, de Sagres, que desenvolveu uma plataforma que aplica novas abordagens biotecnológicas para explorar compostos derivados marinhos, usados para desenvolver novos produtos farmacêuticos.
A equipa da SEA4US.D.R.

Desde o lançamento do programa, em 1 de janeiro de 2014, foram selecionadas 2.873 PME para financiamento ao abrigo da Fase 1 do Instrumento PME, 79 das quais portuguesas. Sendo que a próxima data-limite para candidaturas à Fase 1 do Instrumento PME é maio de 2018.

Depois desta fase há uma segunda, na qual cada projeto pode receber até 2,5 milhões de euros (cinco milhões para projetos no domínio da saúde) para financiar várias etapas de desenvolvimento dos projetos: a demonstração, o ensaio, a fase-piloto, a fase de expansão e a miniaturização, para além de desenvolver um plano de negócios sólido. Além disso, as empresas terão ainda acesso a 12 dias de formação empresarial.

Segundo a Comissão Europeia Itália é o país que mais projetos conseguiu eleger para obter apoio do Horizonte 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moedas apoia mais quatro PME portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião