“Alinhamento” de datas entre eleições legislativas e europeias seria “adequado”, defende Centeno

  • Lusa
  • 8 Abril 2018

Mário Centeno é favorável a alinhar os momentos eleitorais nacionais com os europeus. O presidente do Eurogrupo admitiu que expandir o euro é um processo "demorado", mas de "grande alcance".

O ministro das Finanças português admitiu este domingo que seria “adequado” alinhar as eleições legislativas com a votação para o Parlamento Europeu, o que anteciparia o escrutínio nacional em alguns meses.

A declaração foi feita em resposta a uma pergunta do público que assistiu à conferência de encerramento da primeira edição das Conferências Ulisses 2018, comissariadas pelo historiador e ex-eurodeputado Rui Tavares, que decorreram no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

A pergunta feita a Mário Centeno foi: “Defende que as eleições legislativas de 2019 devem ser antecipadas para antes do verão?”, recordando que o PS defendeu, no passado, um alinhamento com o calendário europeu.

“A transição que o país passou de 2015 para 2016 foi difícil e colocou desafios grandes ao Governo na altura e, portanto, é uma decisão política, que compete aos partidos políticos e ao senhor Presidente da República”, começou por dizer Mário Centeno.

O ministro acrescentou, logo a seguir: “Diria que é adequado, do ponto de vista da estabilidade que temos procurado incutir à gestão das finanças públicas, que houvesse esse alinhamento [com as eleições europeias, agendadas para maio].”

Insistindo na “estabilidade orçamental” e na “previsibilidade”, já antes, durante a conferência, Mário Centeno, também presidente do Eurogrupo, tinha destacado que “o desalinhamento entre ciclos políticos é uma das maiores barreiras à tomada de decisões europeia”.

Expandir euro é projeto político “demorado”, mas “de grande alcance”

A expansão do “projeto político” da moeda única “está em curso”, mas “exige paciência”, pois, embora “demorado”, tem um “grande alcance”, realçou este domingo o ministro das Finanças português e presidente do Eurogrupo, numa conferência em Lisboa.

O alargamento do euro a todos os países da União Europeia “está demorado”, mas é um processo “democrático”, feito a partir de Estados soberanos, que, portanto, “leva tempo” e exige preparação prévia, recordou Mário Centeno, orador na conferência de encerramento da primeira edição das Conferências Ulisses 2018, comissariadas pelo historiador Rui Tavares, que decorreram no Centro Cultural de Belém.

“Democracia Europeia: uma ideia cujo tempo chegou?” foi a pergunta de partida para um debate que contou com outros três oradores: o professor e investigador alemão Jan-Werner Müller, o ex-presidente do Parlamento Europeu Martin Schulz e Rui Tavares.

Reconhecendo que “uma bicicleta parada não funciona” – em analogia à moeda comum europeia –, Mário Centeno vestiu a pele de “otimista de serviço” para sublinhar que “da impaciência ao populismo vai um passo muito curto” e que o euro “pode fazer muito” pela democracia.

Não há, portanto, “receitas fáceis”, mas de uma coisa Centeno está certo: “O euro é hoje a prova mais tangível do que é a integração europeia.” Recordando que, de acordo com uma sondagem Eurobarómetro, 74% dos europeus aprovam a moeda única, Centeno acredita que este é “um momento muito interessante, que deve ser utilizado para melhorar e não para divisões apocalípticas”.

Considerando que “o desalinhamento entre ciclos políticos é uma das maiores barreiras à tomada de decisões europeia”, Centeno frisa que a Europa é hoje “muito mais forte” do que há cinco anos. Falta agora, afirmou, “completar a união bancária”, ou seja, “tornar os bancos mais resistentes”, e também a união do mercado de capitais, assegurando “fontes de financiamento para as empresas mais alargadas”.

Na opinião do ex-eurodeputado Rui Tavares, “a Zona Euro não pode ser só uma moeda”, por isso, propôs a criação de “uma Carta Democrática”, a assinar na adesão ao euro. O Eurogrupo, que reúne os ministros das Finanças dos países do euro, “não pode ser só um clube económico”, mas “um clube reforçado de valores democráticos”, sustentou, considerando que “a crise do euro”, que “toda a gente entende que tem de ser reformado”, representa “uma oportunidade”.

Já Martin Schulz apostou: “As pessoas gostam de dinheiro, sobretudo se tiverem mais e mais, mas não amam uma moeda, ninguém ama o euro.” Portanto, para o ex-presidente do Parlamento Europeu e político alemão, “a questão chave é voltar a mobilizar as pessoas em torno da ideia de Europa”, que envolve democracia, respeito mútuo e direitos e liberdades individuais, sem discriminações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Alinhamento” de datas entre eleições legislativas e europeias seria “adequado”, defende Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião