FMI: Investimento público de Portugal é o mais baixo entre economias avançadas

Segundo o Fundo Monetário Internacional, o investimento público de Portugal é o mais baixo entre as economias avançadas. E esse investimento não está a compensar a depreciação do que já existe.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) tem criticado Portugal pelos cortes no investimento público para baixar o défice. No Fiscal Monitor divulgado esta quarta-feira há um gráfico que compara o país entre as economias avançadas: o investimento público português foi o mais baixo entre os países avançados. Uma das consequências desse nível de investimento em ativos não financeiros é que não chega para compensar a depreciação dos níveis de ativos existentes.

Em diversos países, os gastos com investimento têm sido insuficientes para compensar a depreciação“, afirma o FMI, mostrando um gráfico onde destaca Portugal pela negativa: por um lado, tem o investimento público mais baixo, em percentagem do PIB, entre as economias avançadas; por outro lado, a depreciação é superior ao novo investimento. Contudo, é preciso realçar que os dados são de “2016 ou os últimos” disponíveis. Não é claro se o número para Portugal é o de 2016 ou de 2017. A fonte do gráfico são as próprias estatísticas compiladas pela equipa do Fundo Monetário Internacional.

A vermelho está o investimento líquido da depreciação. Em suma, segundo o FMI, esse cálculo passa por subtrair à formação bruta de capital fixo (FBCF) o consumo do capital fixo e as mudanças nos inventários. Esta dificuldade da economia portuguesa de investir mais do que a depreciação dos ativos já existentes tem sido alvo de alerta nos últimos anos. No ano passado, no boletim económico de maio, o Banco de Portugal referia que os níveis de investimento são “insuficientes para compensar a depreciação do capital instalado”.

Ou seja, o novo investimento não compensa o desgaste natural do que já existe, o que resulta num défice na reposição do stock de capital de Portugal. Isto também significa que a economia portuguesa tem menos capital para afetar aos processos produtivos que podem impulsionar o PIB. Assim diminuiu a capacidade produtiva do país. Contudo, ressalve-se que é difícil apurar a dimensão da depreciação dos ativos e que há divergências na forma de a calcular.

O que recomenda o FMI? “As economias avançadas deveriam focar-se em procurar obter ganhos eficiência nos gastos e racionalizar os recursos para criar espaço para aumentar o investimento público, os incentivos para a participação no mercado de trabalho e melhorar na qualidade dos serviços educativos e de saúde”, lê-se no relatório da responsabilidade do Departamento dos Assunções Orçamentais, que é liderada pelo ex-ministro das Finanças, Vítor Gaspar. O Fundo recomenda investimento em infraestruturas digitais e na cibersegurança.

O ajustamento orçamental recente em alguns países não tem necessariamente de dar prioridade a medida amigas do crescimento como ilustrado pela diminuição dos gastos com investimento público em percentagem do PIB entre as economias avançadas e os exportadores de mercadorias”, afirma ainda o FMI, criticando os países que cortaram no investimento público para reduzir o défice. O Fundo refere países que fizeram esforços para expandir o investimento para ajudar o crescimento económico, mas não refere Portugal — o elogio vai para a Grécia e a Noruega.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI: Investimento público de Portugal é o mais baixo entre economias avançadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião