Jorge Coelho está de regresso à Mota-Engil

Antigo ministro socialista e ex-presidente executivo da Mota-Engil, Jorge Coelho está de regresso à construtora portuguesa. Vai fazer parte do conselho de administração para o mandato 2018-2021.

Jorge Coelho regressa à Mota-Engil cinco anos depois de ter deixado o cargo de CEO da construtora.Mário Cruz / Lusa 14 Março, 2012

Antigo ministro socialista e ex-presidente executivo da Mota-Engil, Jorge Coelho está de regresso à construtora portuguesa de onde saiu em 2013. Vai ser um dos vice-presidentes do conselho de administração para o mandato entre 2018 e 2021.

O nome de Jorge Coelho consta do ponto nove da ordem de trabalhos da assembleia geral de acionistas agendada para o dia 11 de maio e que vai deliberar sobre a composição dos órgãos sociais da Mota-Engil EGL 1,87% para os próximos quatro anos, segundo o comunicado enviado esta quinta-feira ao mercado.

No ponto dez, é proposto que “entre os membros eleitos (…) seja designado como presidente do conselho de administração António Mota e como vice-presidentes Jorge Coelho, Gonçalo Moura Martins e José da Costa Figueiredo“.

Para o ex-ministro do Equipamento Social do Governo socialista de António Guterres é um regresso à construtora portuguesa cinco anos depois de ter saído como presidente da comissão executiva, cargo para o qual havia sido eleito em 2008. Na altura, Jorge Coelho alegou “razões de ordem pessoal” para abandonar as funções de CEO na Mota-Engil, afirmando que havia concluído “com sucesso” o programa “Ambição 2013”.

Entre os novos nomes que entram no conselho de administração — que vai ser alargado para 21 membros face aos 17 atuais — estão ainda o do embaixador Francisco Seixas da Costa, de Sofia Cerveira Pinto e de Ana Paula Sá Ribeiro.

De acordo com o relatório e contas, as remunerações dos administradores da Mota-Engil variaram entre 260 mil euros e 500 mil euros em 2017. Gonçalo Moura Martins, que é o presidente da comissão executiva, recebeu mais: quase 740 mil euros.

A Mota-Engil registou lucros de apenas dois milhões de euros em 2017, menos 96% face ao resultado do ano anterior. Por causa do mau desempenho, a construtora já disse que não vai distribuir dividendos este ano, interrompendo assim uma política de entrega de lucros aos acionistas que tinha mais de 20 anos.

(Notícia atualizada às 17h03)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Jorge Coelho está de regresso à Mota-Engil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião