Mota-Engil financia-se em 60,5 milhões a um juro de 4%

Emissão de obrigações da Mota-Engil vai financiar a empresa num montante total de 60,5 milhões de euros, a um juro de 4% ao ano. Empréstimo vence em 2023.

Já são conhecidos os resultados da “oferta particular de subscrição de obrigações” lançada pela Mota-Engil no passado dia 11 de dezembro, destinada apenas a investidores qualificados. A construtora revelou esta quarta-feira que recebeu “ordens de subscrição em numerário e/ou espécie no valor total de 60,5 milhões de euros”. As novas obrigações vencem em 2023 e têm uma taxa de juro anual de 4%.

Esta oferta de subscrição de obrigações tinha um montante mínimo de subscrição de 100.000 euros e pretendia angariar, no máximo, 131,29 milhões de euros para a construtora. As obrigações deverão ser emitidas no próximo dia 4 de janeiro. O objetivo é dar a hipótese a alguns dos atuais obrigacionistas de renovar os títulos, permitindo à empresa alargar a maturidade dos empréstimos, ou permitir a entrada a novos investidores mediante subscrição em dinheiro.

Desta feita, a operação permite amortizar “todas as obrigações representativas dos empréstimos obrigacionistas denominados ‘Mota-Engil USD 2014/2018’ e ‘Mota-Engil 2014/2019’ por si adquiridas no âmbito da subscrição em espécie das novas obrigações, pelo que solicitará o respetivo cancelamento”, informa a empresa num comunicado.”

“Com esta operação (…), a Mota-Engil concretiza os seus objetivos estratégicos de diversificação de fontes e tipos de financiamento, bem como de alargamento de maturidades”, sublinha a empresa numa nota enviada aos mercados.

(Notícia atualizada às 19h33 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil financia-se em 60,5 milhões a um juro de 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião