Santander Totta rejeita ser ameaça à liderança da CGD em Portugal

  • Lusa
  • 19 Abril 2018

António Vieira Monteiro diz que o objetivo do Santander Totta é consolidar o segundo lugar na quota de mercado junto das empresas.

O presidente do Santander Totta disse, esta quinta-feira, que não se sente uma ameaça à liderança da Caixa Geral de Depósitos (CGD) como maior banco português, apesar do crescimento do negócio que a sua instituição financeira quer manter.

“Não me sinto como ameaça. Nós fazemos o nosso trabalho, ele [o presidente da CGD, Paulo Macedo] tem o trabalho dele e nós respeitamos. Eles têm determinadas funções que nós não temos, como o banco público que é. O maior respeito por ele, que tem uma missão difícil a fazer”, afirmou Vieira Monteiro aos jornalistas, à margem de um evento no Porto.

Vieira Monteiro esteve num evento de promoção do Santander Totta junto de empresas, tendo dito que o banco que lidera tem uma quota de mercado junto das empresas de cerca de 22%, o que o posiciona em segundo lugar, atrás da CGD. “Queremos consolidar o segundo lugar, não mais do que isso. Não tenho nenhuma intenção de chegar ao primeiro. Pelas declarações do outro dia do dr. Paulo Macedo, no Parlamento, ele sente que estamos próximos, mas essa não é a nossa intenção”, afirmou.

No dia 21 de março, o presidente da CGD disse que o banco quer manter a liderança em Portugal, mas que isso não depende apenas da sua administração, admitindo que fusões entre outros bancos ponham em causa esse objetivo.

“O que o plano estratégico [até 2010] prevê é a Caixa reduzir a sua atividade no exterior e manter a sua liderança internamente. A liderança da Caixa depende em grande parte de si, mas também dos outros. Se o Santander continuar a adquirir banco após banco, a CGD perderá a sua liderança”, afirmou Paulo Macedo, no Parlamento, na comissão de Orçamento e Finanças.

O gestor disse ainda que eventuais “loucuras de preços” praticadas por outros bancos também podem pôr em causa a liderança atual da CGD em muitos segmentos de mercado, nomeadamente no crédito.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander Totta rejeita ser ameaça à liderança da CGD em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião