Portugal quer pagar antecipadamente todo o dinheiro que deve ao FMI

Agência que gere a dívida pública já enviou proposta ao Ministério das Finanças para solicitar aos parceiros europeus uma nova autorização para Portugal pagar os 4,5 mil milhões que ainda deve ao FMI.

O IGCP já solicitou ao Governo para que formalize junto dos parceiros europeus um pedido para reembolsar a totalidade do empréstimo oficial do Fundo Monetário Internacional (FMI), revelou esta quarta-feira a presidente da agência que gere a dívida pública, Cristina Casalinho.

“A proposta técnica que o IGCP submeteu à tutela é de iniciar negociações com o ESM [Mecanismo Europeu de Estabilidade] e com os estados membros no sentido de autorizar uma nova amortização”, informou a gestora da dívida pública durante a audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, lembrando de seguida que Portugal ainda deve 4,5 mil milhões de euros à instituição.

No início do ano, Portugal pagou 800 milhões de euros ao FMI e com isso 80% do empréstimo ficou devolvido. Além disso, essa devolução permitiu que o país ficasse livre da parte mais cara da ajuda financeira concedida pela instituição em maio de 2011.

“As poupanças a partir de agora serão menos significativas”, disse Casalinho, argumentando, ainda assim, que compensa mais devolver antecipadamente ao FMI do que acelerar as recompras de títulos no mercado.

“O FMI continua a configurar uma alternativa mais vantajosa do que a recompra ao mercado nesses mesmos prazos”, justificou.

Cristina Casalinho foi ainda questionada pelos deputados sobre a almofada financeira do IGCP, que situou-se nos dez mil milhões de euros no final do ano passado.

A presidente do IGCP explicou o nível do cash buffer com as exigências estabelecidas pelo ESM para reembolsar o FMI: a almofada financeira deve ser de, pelo menos, 50% das necessidades de financiamento do país nos 12 meses seguintes numa situação de rating especulativo, baixando para os 40% em caso de “investment grade“, que é o que se verifica agora junto da Fitch e Standard & Poor’s.

(Notícia atualizada às 13h22)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal quer pagar antecipadamente todo o dinheiro que deve ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião