Nestlé em Cascais? “São rumores”. Novo centro fica em Linda-a-Velha por agora

Ida do novo centro de serviços da Nestlé para Cascais não passa de um "rumor", garante o diretor-geral da filial portuguesa. Por agora, o centro ficará na sede nacional da companhia, em Linda-a-Velha.

Quase oito meses depois do autarca de Cascais ter anunciado a instalação do novo centro de serviços partilhados da Nestlé no município, o diretor-geral da filial portuguesa da gigante garante que esse acordo é apenas um “rumor”. Esta segunda-feira, num encontro com jornalistas, Paolo Fagnoni explicou que, por agora, o Nestlé Business Services (NBS) ficará acomodado na sede nacional da empresa. “A decisão vai ser tomada nos próximos dois a três meses sobre se ficamos em Linda-a-Velha ou procuramos novas alternativas”, precisou.

De acordo com o responsável, o edifício em causa está a ser avaliado e as equipas estão a ser reorganizadas, para que se arranje lugar para o centro. O NBS — que apoia, atualmente, as operações da Nestlé na Escandinávia, em Espanha, na Bélgica, no Luxemburgo e nos Países Baixos — já conta com 140 colaboradores, estimando-se que esse grupo chegue às quatro centenas de trabalhadores até ao final do ano.

Essa será, de resto, a maior fatia do bolo de novos empregados que a Nestlé Portugal espera conseguir até dezembro. No total, em 2018, a empresa prevê registar um aumento de 14% do seu pessoal, esperando contratar cerca de 269 novos colaboradores. “Estamos a recrutar mais ou menos 20 a 30 pessoas por mês”, salientou Fagnoni.

Para conquistar um lugar nesta multinacional, os interessados têm de ser linguisticamente versáteis “para se relacionarem com os parceiros da marca”. No que diz respeito ao NBS, a Nestlé está à procura de profissionais ligados à gestão das suas operações do pedido à entrega, às compras e à monitorização das campanhas digitais.

Café tem um peso de 45% no negócio da Nestlé Portugal.

40 milhões para duas fábricas

Ao longo dos próximos 18 a 20 meses, a Nestlé Portugal espera investir mais de 40 milhões nas suas duas fábricas nacionais. Trata-se de um “investimento em operações, nas linhas de produção para criar ou melhorar produtos”, adianta Paolo Fagnoni, referindo que o objetivo é renovar e acelerar os processos.

Na fábrica de Avanca, destaca-se a melhoria na linha de produção de bebidas de cereais, o aumento da sua capacidade e o apoio à inovação na Nutrição Infantil. Já na fábrica do Porto, espera-se aumentar a capacidade de fabrico com a produção do café Nescafé Roast & Ground, uma novidade mundial para esta marca de café solúvel.

“Há um forte compromisso na redução de emissões e tratamento de águas, na redução de desperdício”, acrescenta Fagnoni.

Nestlé registou crescimento de 6%, neste primeiro trimestre.

Empreendedorismo “extraordinário”

Lançado em setembro do ano passado, o programa de aceleração de startups da Nestlé — o Fora da Casca — está agora nos seus passos finais. “Nas próximas semanas, vamos avaliar os projetos, alguns deles são extraordinários”, enfatiza o diretor-geral.

Segundo Fagnoni, os projetos com maior valor para a gigante serão depois desenvolvidos ou internamente ou em parceria com as pequenas empresas. “Continuaremos o trabalho em 2018”, garante o representante, deixando a porta aberta a uma segunda edição do programa.

E por falar em inovação, o responsável avança que 21% do crescimento registado neste primeiro trimestre foi justificado por projetos desse tipo. “Uma companhia como a Nestlé deve estar obcecada com a inovação e com a renovação”, sublinha o responsável.

Sobre a parceria da Nestlé com a cadeia Starbucks, Fagnoni explica ainda que o acordo não está bem definido, enfatizando que é um “grande oportunidade” para a empresa.

Por outro lado, esse casamento avaliado em seis mil milhões de euros poderá ser “em teoria” positivo para a fábrica de café da companhia em Portugal. “Há a possibilidade [de ser escolhida para produzir os novos produtos], mas ainda temos de ver os volumes e as oportunidades nas outras três fábricas”, sublinha o novo líder.

Ainda no campo dos novos produtos, destaque para o Kit Kat Ruby, que chega aos supermercados nacionais na próxima semana. O novo chocolate será lançamento numa edição limitada, devido à escassez deste tipo de cacau rosa.

No primeiro trimestre de 2018, a Nestlé Portugal registou vendas de 117 milhões de euros, fixando-se o crescimento nos 6%. No resto do ano, o diretor-geral estima um crescimento na ordem dos 2% a 3%, com especial atenção ao mercado local.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nestlé em Cascais? “São rumores”. Novo centro fica em Linda-a-Velha por agora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião