Quotas no alojamento local? “Pode haver situações de quota zero”, diz presidente da freguesia de Santa Maria Maior

As freguesias do centro histórico de Lisboa defendem a transferência da competência de licenciamento do alojamento local para as câmaras.

As juntas de freguesia do centro histórico de Lisboa defendem que a regulamentação do alojamento local deve ser da responsabilidade das autarquias, mas reconhecem que ainda não concluíram qual será a melhor forma de implementar quotas para limitar o número de alojamentos em cada freguesia, uma proposta que está a ser discutida no Parlamento. O presidente da junta de freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, defende mesmo que poderá haver zonas de “quota zero”, isto é, onde não será atribuída mais nenhuma licença para a exploração de alojamento local.

A ideia foi partilhada no grupo de trabalho que está a discutir o alojamento local, no Parlamento, antes da elaboração de diplomas para a alteração da legislação que regula este setor. O autarca, que tem sido um dos maiores defensores da imposição de limites ao alojamento local, lembrou que a freguesia de Santa Maria Maior, zona que abrange os bairros de Alfama, Baixa, Chiado, Castelo e Mouraria, perdeu 2.095 eleitores só nos últimos dois anos. Este é um fenómeno que atribui à lei do arrendamento urbano, que “tem sido o principal instrumento para que o alojamento local se possa espalhar como uma espécie de mancha de óleo”.

Assim, argumenta, “é necessário transferir a competência de licenciamento do alojamento local para as câmaras, com a possibilidade de limitar a abertura de novos estabelecimentos”. Esta é, aliás, uma proposta que consta dos projetos do Bloco de Esquerda e do PCP, que, em conjunto com projetos do PS, do CDS-PP e do PAN, estão a ser discutidos na especialidade desde fevereiro.

"A lei das rendas tem sido o principal instrumento para que o alojamento local se possa espalhar como uma espécie de mancha de óleo.”

Miguel Coelho

Presidente da freguesia de Santa Maria Maior

Sobre os argumentos de que “esta é uma legislação só para Lisboa”, apresentados pelo CDS-PP na audição desta quinta-feira, Miguel Coelho sublinha que, pelo contrário, esta é uma legislação para o país inteiro. “Estamos a responsabilizar o poder local. Não posso concordar que seja o Parlamento a definir regras para a definição de quotas, isso deve ser definido por regulamento municipal“.

Quanto às quotas máximas a impor ao alojamento local, o autarca assume que um mínimo de 70% para a habitação e um máximo de 30% para o alojamento local será “um cálculo lógico” para uma freguesia como a sua, mas admite variações mesmo dentro da mesma freguesia. “Não deve estar estabelecido nada, devem ser os municípios a estabelecer. Pode haver situações de quota zero e situações de quota de 100%”, reforçou.

Carla Madeira, presidente da freguesia da Misericórdia, e Natalina Tavares de Moura, presidente da freguesia de São Vicente, também presentes nesta audição, também são favoráveis à imposição de quotas para o alojamento local nestas freguesias, para travar a “saída abrupta” de moradores que se verificou nos últimos anos.

"Vamos num cruzeiro a todo o vapor, mas, para atingir o volume de crescimento económico que estamos a atingir, estamos a atirar os pesos mortos borda fora.”

Carla Madeira

Presidente da freguesia da Misericórdia

“Vamos num cruzeiro a todo o vapor, mas, para atingir o volume de crescimento económico que estamos a atingir, estamos a atirar os pesos mortos borda fora”, criticou Carla Madeira, referindo-se aos despejos da população mais vulnerável, como os inquilinos idosos.

Este grupo de trabalho, que já conta com mais de 50 audições, vai ouvir, na próxima semana, os representantes das várias entidades regionais de turismo do país. Em data ainda por definir, deverá também ouvir as secretárias de Estado do Turismo e a da Habitação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quotas no alojamento local? “Pode haver situações de quota zero”, diz presidente da freguesia de Santa Maria Maior

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião