89 dias depois das eleições, Governo italiano tomou posse

Itália tem um novo Executivo desde esta sexta-feira. Cerca de três meses depois da ida à urnas,uma aliança entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga permitiu a formação de um Governo.

O novo Governo italiano liderado por Giuseppe Conte tomou posse esta sexta-feira perante o Presidente Sergio Mattarella, depois de a coligação entre o Movimento 5 Estrelas e a Liga ter chegado a um acordo que permitiu pôr fim ao impasse político que saiu das eleições de 4 de março.

Durante as tentativas para a formação de um Executivo, os mercados financeiros e a União Europeia deram sinais de preocupação perante a possibilidade de um eurocético ocupar a pasta das Finanças e de as política anti-imigração fazerem parte do programa a executar.

Esta sexta-feira, Giuseppe Conte tomou posse como primeiro-ministro. Luigi di Maio, o líder do 5 Estrelas — o partido antissistema que suporta o Executivo –, vai ser vice-primeiro-ministro e ministro do Desenvolvimento Económico, Trabalho e Bem-Estar social. Matteo Salvani, o líder da Liga (partido de extrema-direita), o outro partido que apoia o Executivo, será também vice-primeiro-ministro, acumulando com a pasta do Interior.

Giovanni Tria assume a pasta da Economia (onde as Finanças estão incluídas), com Enzo Moavero Milanesi a tomar posse como ministro dos Negócios Estrangeiros e Paolo Savona a ficar com a pasta dos Assuntos Europeus, adianta o Il Sole 24 Ore.

Segundo a Lusa, a lista completa incluí o primeiro-ministro, os dois vices e 18 ministros.

Giovanni Tria é professor de economia, macroeconomia e história do pensamento económico, e sucede a Padoan nas Finanças.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

89 dias depois das eleições, Governo italiano tomou posse

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião